Nos últimos dias, diversas postagens têm se espalhado pelas redes sociais sobre a busca pelo termo “#Enteadas” no Google. O resultado da pesquisa é assustador.

Os primeiros resultados mostrados pelo buscador refletem as buscas mais populares e é isso que tem chocado as pessoas. Ao buscar pelo termo “enteadas”, de dez resultados, oito são de conteúdo sobre pornografia. Quando um filtro, o SafeSearch, é usado para excluir os resultados relacionados à pornografia, o resultado ainda é triste, são notícias sobre violência e estupro.

Quando a pesquisa é feita usando o termo “enteados” o resultado é completamente diferente. Nenhum dos resultados exibidos na primeira página têm relação com pornografia.

Publicidade
Publicidade

Demonstrando a disparidade entre homens e mulheres, meninos e meninas.

O mesmo acontece ao pesquisar por “pai e filha” onde os resultados direcionam para sites pornográficos e ao buscar “pai e filho” apenas links de sites aleatórios são mostrados.

O assunto está tendo bastante repercussão nas redes sociais nos últimos dias e diversos internautas têm se manifestado a respeito desses resultados.

Apesar de ser um tema antigo e frequente nos noticiários, a vulnerabilidade da #Mulher desde a infância até a fase adulta e como a cultura do estupro está de certa forma enraizada na sociedade é pouco debatido.

Publicidade

Até mesmo a criação de leis e medidas protetivas são insuficientes, prova disso é o aumento dos casos de violência.

Pesquisas comprovam que, na maioria dos casos, os abusos são contra mulheres, cerca de 86%, pesquisas também revelam que os abusos são cometidos por alguém próximo ou conhecido da vítima, como parentes e vizinhos.

Por muitas vezes, os conteúdos encontrados na internet são fortes e bem chocantes, mas refletem a dura realidade. Nestes casos, as palavras femininas enteada e filha têm um apelo sexual, já as palavras masculinas enteado e filho têm o significado normal. Os resultados são espelho do que as pessoas andam buscando na internet e, por muitas vezes, o que andam praticando fora dela também. #Violência