Os avanços tecnológicos têm crescido no mundo a passos largos, é inegável afirmar, inclusive, que tal crescimento parece crescer exponencialmente, pois uma #Inovação dá lugar a outras e toda essa engrenagem gera grande impulsionamento no mercado, em diversos segmentos onde a tecnologia possa influenciar. Contudo, pode-se observar que passamos por tamanha evolução tecnológica nos últimos 20 anos que é visível que estamos vivendo em uma transição entre o velho mundo e o novo mundo, pois é muito provável que em pouco tempo todos os avanços tecnológicos tornarão o mundo um lugar muito estranho para quem teve a oportunidade de observá-lo nos dias de hoje.

Publicidade
Publicidade

A #Tecnologia ao mesmo tempo que auxilia toda a humanidade, também é alvo de muita preocupação, de tal forma que já foi tema de Hollywood, em filmes como "O exterminador do futuro" ou "Eu robô", quando as máquinas são a "imagem e semelhança de seu criador", de tal forma que as máquinas providas de inteligência decidem voltar-se contra o ser humano. Ficção à parte, a vida real tem estado cada vez mais conectada a tecnologia e cada vez mais dependente, inovações começam a virar rotina a entusiastas do mundo tecnológico, mas, ao mesmo tempo, começam a surgir pessoas receosas com as consequências negativas que a inteligência artificial pode trazer ao ser humano, mas o que mais surpreende é que tais pessoas preocupadas são as maiores personalidades do segmento tecnológico, como Elon Musk, CEO da Tesla; o físico Stephen Hawkings; e Bill Gates, da Microsoft.

Publicidade

Tecnologias como "internet das coisas" e "inteligência artificial" juntas têm gerado à personalidades do setor tecnológico tamanha preocupação com as possíveis consequências negativas à raça humana, como uma possível "#Rebelião das máquinas", que Reid Hoffman e Pierre Omidyar, fundadores de Linkedin e eBay, respectivamente, deram um pouco de suas fortunas para criar um fundo que pesquisará como a inteligência artificial pode ser mais ética. Esse medo da criação voltar-se contra o criador motivou este grupo a unir forças, arrecadando US$ 40 milhões em doações, que serão aplicadas em pesquisas voltadas a inteligência artificial, a fim de encontrar uma forma segura de desenvolver a nova tecnologia sem que esta venha a representar uma ameaça futura, seja a partir de máquinas rebeldes ou robôs desenvolvidos para fins bélicos, com poderes devastadores.

Polemizar avanços é sinal de maturidade, pois todo o convívio que a sociedade teve e tem com tecnologia ao longo da história apontam para aspectos positivos e negativos, pois a tecnologia pode ser utilizada tanto para o bem quanto para o mal, de modo que, ao ser utilizada para o mal, os impactos deste mau uso pode ser devastador, tanto que é muito compreensível que máquinas com poder de pensar e responder a estímulos externos, pode vir a apresentar riscos às pessoas, de modo que os desenvolvedores têm feito muitas reuniões discutindo a segurança diante dos avanços, pois nos deparamos hoje com inovações tão poderosas que fogem da compreensão até dos criadores.

Publicidade