Domingo a polícia do pequeno país nórdico, Islândia, encontrou o cadáver de uma moça de 20 anos que havia desaparecido há alguns dias. O homicídio praticamente parou o país. O motivo: a Islândia tem, por ano, 1,8 homicídio, ou seja menos que 2. A Islândia possui 330.000 habitantes, o que, para muitos, explicaria o baixo índice relativo de mortes violentas (homicídios e latrocínios), por exemplo. Entretanto, comparando a cada 100 mil habitantes, ocorrem 0,6 mortes violentas. No Brasil, os dados mais atualizados apontam que por dia, morrem de forma violenta 170 pessoas, equivalente a quase 60 mil mortes por ano. Considerando a população brasileira atual (200 milhões de habitantes), e comparando a cada 100 mil habitantes os números assustam: 29 mortes/100 mil habitantes.

Publicidade
Publicidade

Brasil: líder no ranking mundial

Deveria ser motivo de comemoração o país estar na liderança se não fosse o critério: mortes violentas. No Brasil, morrem mais pessoas vítimas da violência (homicídios e latrocínios) do que em países que estão em guerra. Um exemplo: o já conhecido conflito da Palestina (que envolve alguns grupos extremistas árabes e israelenses) mata, em média, 60 pessoas por dia. No Brasil, a média chega a 170 mortes por dia, ou seja, a cada 8 minutos e meio uma pessoa é assassinada de forma violenta no Brasil.

Leis penais que beneficiam bandidos

A coluna vertebral da legislação penal brasileira foi estruturada na década de 40. O código penal foi criado em 1940 enquanto o código de processo penal em 1941. Já em 1984 foi criada a lei de execuções penais e, posteriormente entraram em vigor algumas outras #leis e ocorreram alguns "ajustes" na legislação.

Publicidade

Porém, a evolução da punibilidade e do modo como ocorreria a punição ao criminoso não ocorreu de forma a acompanhar a realidade da população brasileira. Penas consideradas pequenas, fragilidade no cumprimento das mesmas, benefícios aos montes à criminosos. Também a cultura impregnada no Brasil de que bandido "é sempre a vítima da Sociedade" e, aliado a tudo isso, um Congresso Nacional lerdo e inoperante na questão da legislação penal brasileira. Enquanto isso, a população fica à mercê dos marginais. E o Brasil despontando em um triste ranking: o da violência. #homicidios