A #menina que nasceu com desalinhamentos dos olhos, ou seja, uma má formação no nervo óptico que nada mais é do que uma falta de coordenação entre os olhos, onde eles parecem “vesgos” podendo levar até à perda da visão. Stéphany Ribeiro Zucolotto de 13 anos, sonha em recuperar sua visão e enxergar o brilho do sol. O direito foi totalmente vinculado à doença.

A mãe da adolescente, Michele Ribeiro Maia, descobriu um tratamento na Tailândia que custa em torno de US$ 30 mil, convertido em real fica na faixa de R$ 105 mil, valor considerado elevado para as condições financeira da família. Sendo assim, a dona de casa decidiu ir em busca do sonho da filha, divulgou um vídeo na internet, na campanha intitulada de “Pra Ser Livre” com o objetivo de pedir ajuda e arrecadar o valor necessário para o tratamento no continente Asiático.

Publicidade
Publicidade

No vídeo, a criança canta e conta seu sonho de poder enxergar. Em dois dias, a publicação chegou a mais de 240 mil visualizações e em uma semana arrecadou R$21,4 mil. Na #campanha “Ela depende de você, pra ser livre” afirma que se ver no espelho é algo simples e fútil para muitas pessoas, mas para a Stéphany é um sonho, uma vida.

O site “Vakinha” ainda ressalta que a menina tem a chance de ser livre através de um tratamento que incentiva a evolução do nervo ocular. A menina sonha em ser cantora.

Michele Ribeiro, mãe da menina, só conheceu o tratamento na Tailândia depois da campanha para arrecadação para o tratamento de uma criança com a mesma doença da filha.

Segundo a mãe, o tratamento dura de 15 a 20 dias com injeções de células-mãe, ou também conhecido de células-tronco e os resultados leva 3 meses para aparecer.

Publicidade

Desde que souberam do tratamento no sudeste asiático e entraram em contato com médicos, a fé e a esperança empoder ver a filha voltando da Tailândia enxergando, cresceram.

A campanha foi criada em 26 de dezembro de 2016, com a previsão de encerramento para o dia 26 de março de 2017. Até o momento, foi arrecadado R$ 23,1 mil, que equivalem a 22% do valor necessário, fora os R$ 7,1 mil de boletos pendentes. #Cega