Dizem os entendidos que tudo começou em 1960. No famoso primeiro debate eleitoral transmitido pela televisão, Kennedy ouviu os conselhos de seus marqueteiros e arrasou na telinha. Nixon, por sua vez, deu de ombros aos marqueteiros e praticamente emendou o debate com comícios de campanha, aparecendo cansado, barbudo e despreparado. A partir daí, os marqueteiros nunca mais pararam de crescer.

Sabemos bem o papel que muitos deles tiveram para certas candidaturas. Mas, agora chegamos a um novo patamar, pois #João Dória, o alcaide-gari da Pauliceia, encarna a conquista do poder por um marqueteiro. A diferença de João Dória para os Duda-Mendonças e Joões-Santana da vida é que ele, Dória, não precisa da ideia de ninguém.

Publicidade
Publicidade

Ele próprio as tem!

E, assim, seguindo o script que transformou o #Brasil numa bizarrice política, terra onde as aparências têm importância muito acima do razoável, João entrou no picadeiro do Circo Dória vestido de gari. Ou lixeiro, como se dizia no mundo politicamente incorreto. Semana que vem, talvez Dória surja de marronzinho da CET. Talvez, arrisque em alguma ocasião ser motorista ou cobrador de ônibus.

Como um Jânio Quadros pós-moderno, porém muito bem uniformizado, como reza o manual do marqueteiro, Dória fez o seu #show particular e "passou a mensagem" de limpeza e trabalho. Ou que vai varrer alguma coisa não sei para onde. Ou que vai trabalhar de verdade.

Como observou um amigo, o uniforme do Dória parece sob medida, extremamente bem passado e ele escolheu os verdadeiros garis pelo dedo mindinho.

Publicidade

Ele parece (pela estatura) um jogador de basquete no meio dos garis mais baixinhos que encontrou. O alcaide-gari lembra um super-homem que veio para salvar São Paulo da sujeira.

Enfim, fez o suficiente para desanimar ainda mais quem já não esperava nada dele e, para arrancar aplausos dos incautos que apreciam essas mensagens marqueteiras dos anos 60, curiosamente os mesmos que atiraram pedras em Eduardo Suplicy, quando ele saiu pateticamente a varrer umas calçadas por aí. Portanto, sempre haverá público para os circos da política.

Aguardemos a próxima atração do Circo Dória.