A temporada do futebol nacional está começando e os clubes estão se reforçando para os campeonatos que terão pela frente. Os destaques entre as contratações são veteranos com bastante rodagem no futebol.

Thiago Neves, Montillo, Felipe Mello, Jô, Conca, D´Alessandro, entre outros, são os principais nomes que retornam ao Brasil esse ano. Fora os experientes que já estavam no Brasil em 2016 e chamaram a atenção como Ricardo Oliveira, Zé Roberto, Robinho e Diego Souza.

Mas qual o melhor reforço para os clubes daqui? Garotos da Copinha, os veteranos ou uma mescla dos dois?

Muitos falam que o melhor seria apostar nos veteranos pois a qualidade do futebol brasileiro é fraca e eles sempre se destacam e destoam por aqui.

Publicidade
Publicidade

Isso é um fato. Mesmo mais velhos, os "experientes" costumam fazer sucesso por aqui mesmo em fim de carreira e numa idade mais avançada. Para esses, apostar em garotos é arriscado pois sentiriam a pressão.

Outros afirmam que a solução é apostar na molecada citando o exemplo do #Santos de 2002 que fez um time com garotos de qualidade e que não sentiram a pressão e ganharam o Brasileirão depois de 18 anos.

Esses dizem que preferem abrir mão dos veteranos, colocar um técnico experiente e que sabe lidar com moleques e rechear o time de jovens promissores que costumam aparecer mais nesse época de Copa SP de Futebol Jr.

Por fim, há os que defendem que o melhor caminho é a mescla de experiência e juventude. O físico, fôlego e dedicação dos meninos com a tarimba dos veteranos.

#Palmeiras e Santos, campeão e vice do Brasileirão 2016, conseguiram mesclar experiência com juventude e tiveram um belo ano.

Publicidade

O Verdão que ergueu o troféu, apostou em jovens como Tchê Tchê e Gabriel Jesus atrelados a experiência de Fernando Prass, Zé Roberto e Jean.

O Santos também apostou na mescla. Experientes como Ricardo Oliveira e Renato com a juventude de Zeca, Thiago Maia e Vitor Bueno e levantou o caneco do Paulistão e ficou em segundo no Brasileirão.

O Grêmio foi outro time que apostou na mescla e também foi campeão depois de muitos anos. Meninos como Wallace, Luan e Pedro Rocha junto com os veteranos Maicon, Douglas, Edilson e Marcelo Grohe levaram o tricolor gaúcho ao título da Copa do Brasil depois de 15 anos.

Se eu fosse dirigente, Também apostaria na mescla pois um pode ajudar o outro no que falta e assim o grupo e o time se completar melhor.

E você, o que acha melhor para seu clube? #Copinha