Na madrugada do dia 8, estourou uma nova #Rebelião em Manaus, desta vez, no Complexo Penitenciário Raimundo Vidal Pessoa, na Avenida 7 de Setembro, em pleno coração da capital amazonense. O local abriga mais de 280 detentos, que foram transferidos dos complexos penitenciários Antonio Trindade (IPAT) e Anísio Jobim (Compaj), após as rebeliões ocorridas no início do ano.

A rebelião durou cerca de 1 hora, segundo a polícia militar de Manaus, tempo que o Batalhão de Choque levou para controlar a situação. Mesmo assim, como resultado parcial, ainda não se tem registros finais desta rebelião, o saldo é de 4 mortos, sendo que 3 foram decapitados.

Vale salientar que os detentos que ali se encontram são todos da mesma facção criminosa, o Primeiro Comando da Capital. Na primeira rebelião do ano, a justificativa para a morte e decapitação era de que os criminosos eram de facções rivais, mas agora, ao que parece, estão se matando entre eles mesmos, e arrancando suas próprias cabeças.

Nem mesmo o atual secretário de segurança consegue uma explicação plausível para o ocorrido. Em poucas palavras, ele afirmou o seguinte: "Quando eles entraram, já haviam acontecido as mortes. Não houve reféns. Os motivos pelos quais eles mataram os próprios companheiros fogem da minha compreensão".

Sem saber os reais motivos desta nova rebelião, a polícia permanece no local, assim como os parentes dos detentos, que buscam algum tipo de informação sobre o ocorrido. Vale salientar que após a primeira rebelião, o PCC notificou a sociedade através de uma carta que faria uma represália contra a Família do Norte, facção que iniciou a série de rebeliões no início do ano. Agora com os criminosos da mesma facção se matando, deverá ser rodado um memorando interno para resolver o problema.

Por fim, somam-se 64 mortos dentro do sistema carcerário, contando as chacinas em Manaus e Boa Vista-RO, mas ainda não estamos contando os corpos de fora do sistema, que estão sendo executados sumariamente, de maneira completamente sistemática, petulante e animalesca, com os assassinos invadindo as casas de suas vítimas, baleando também aqueles que nada tem haver com as organizações criminosas, fazendo arrastões pela cidade, instaurando, dentro e fora das cadeias, o clima de medo e terror ao povo manauara.

E por enquanto, nada do Brayan Bremer ainda, achamos que ele já meteu o pé na jaca. #Opinião #Amazonas