A discussão da proposta política que se avizinha no horizonte não é se é certa ou errada, mas fato é que, ultimamente, grande parte dos parlamentares brasileiros parece ter resolvido trabalhar em questões que mexem diretamente com a opinião pública da sociedade nacional como um todo. É o que está acontecendo, por exemplo, por parte da vereadora Maria Letícia, pertencente aos quadros do PV da Câmara do Município de Curitiba, no Paraná, a qual protocolou um projeto de lei prevendo que o indivíduo que for pego dando uma "cantada" ou provocando constrangimento por meio de palavras proferidas, comportamentos ou até mesmo gestos para com alguém do sexo feminino, correrá o risco de receber uma multa no valor de R$ 280 na comarca da cidade de Curitiba e ainda ser forçado a comparecer em programas de cunho de reeducação.

Publicidade
Publicidade

Em outras palavras, os brasileiro, que sempre foram galantes e conquistadores por natureza, não poderão ficar se expressando com “o famoso 'fiu fiu' em locais públicos e outras cantadas. Segundo as palavras da política paranaense, esse tipo de atitude não passa de #Assédio sexual disfarçado sob a maquiagem do flerte. O mecanismo para aplicação da sanção financeira também foi explicado no texto de Maria Letícia, que contempla que a multa seja autuada pelas abordagens em flagrante delito observadas pela Guarda Municipal ou com a análise de filmagens obtidas com as câmeras de rua e espaços públicos.

O projeto vislumbra, como desvio de postura adequada, práticas tais como: aproximações perante outras pessoas que as intimidem, comportamentos exibicionistas, masturbação em público, perseguir uma #Mulher seja a pé ou se utilizando de um veículo qualquer, utilização de vocabulário inadequado; consternando assim a vítima em questão, entre algumas outras ações por parte do agressor.

Publicidade

Se o projeto vier a ser aprovado, tudo isso é passível de multa.

Se o autuado vier a reincidir em algumas das práticas já citadas, o valor da multa é de um salário mínimo, ou R$ 930. O objetivo da vereadora Maria Letícia, conforme ela mesma disse, é que as mulheres não sejam mais tratadas como um mero objeto sob a omissão das outras pessoas que estão próximas e do governo, isso em pleno século XXI.

Os principais locais em que ocorrem o assédio são os parques públicos, ruas e avenidas, nos transportes coletivos de grande uso da população e também nos elevadores, mas não são somente esses os únicos. A vereadora frisa que como esse comportamento do dia a dia geralmente não é punido como um #Crime, a prática nociva se repete vez após vez, já que as mulheres que sofrem esse tipo de constrangimento optam por não denunciar os seus algozes.

Vale frisar que não existe uma data pré-definida sequer para a votação do projeto em função dos trâmites considerados legais. E para você, o flerte com uma mulher é só mais uma expressão de paixão ou simplesmente assédio sexual vulgar? Dê a sua opinião.