O Brasil de 1964 estava prestes a explodir por conta do comunismo que estava deixando o mundo em pânico, pois junto com esse regime estava a morte, seja ela pela fome ou pelas armas. A antiga União Soviética estava em guerra fria com os Estados Unidos, Cuba acabava de passar por uma revolução armada, e como estavam as coisas aqui no Brasil?

Nessa época, o presidente João Goulart acabara de assumir após a renuncia do ex-presidente Jânio Quadros. Jango, assim denominado pelos seus eleitores, tinha muitas ideias de esquerda e sempre estava em constante contato com a China comunista e a Rússia, que na época fazia parte da União Soviética.

Publicidade
Publicidade

Com isso, os políticos mais conservadores, assim como os militares do alto escalão, não queriam que Jango assumisse como presidente.

Logo, setores políticos que apoiavam Jango deram início a resistência armada no país. O governador do Estado do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola (PTB), se destacou como líder dessa resistência até que os parlamentares achassem uma solução para resolver esse problema que estava deixando o Brasil em um verdadeiro caos.

Golpe ou não?

A solução encontrada foi o estabelecimento do regime parlamentarista de governo, que vigorou por dois anos (1961-1962), reduzindo os poderes constitucionais de Jango. Com essa medida, João Goulart retornou ao Brasil e foi empossado em 7 de setembro. Agora como presidente interino do Brasil, Jango teve mais poderes constitucionais.

Publicidade

Infelizmente, os conflitos armados eram constantes no meio da sociedade, a influencia do comunismo afetava o cidadão brasileiro desde o menor ao maior, do mais novo ao mais velho, do mais pobre ao mais rico. Com a pressão popular aumentando, Os parlamentares resolveram depor #João Goulart do cargo de presidente do Brasil, lembrando que não foram os militares que tomaram o poder e sim os próprios congressistas.

Pode se afirmar que houve uma intervenção civil, onde teve o apoio dos empresários, produtores rurais, OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Igreja Católica, Marcha da Família etc? Após a queda de Jango, Castelo Branco foi eleito, pelo Congresso Nacional, presidente da República, em eleição no dia 11 de abril de 1964, obtendo 361 votos contra 72 abstenções, 37 faltas, 3 votos para Juarez Távora e 2 votos para Eurico Gaspar Dutra.

O voto mais aplaudido foi do ex-presidente Juscelino Kubitschek. Da deposição de João Goulart em 2 de abril de 1964 até a posse de Castelo Branco, permaneceu na Presidência da República o presidente da Câmara dos Deputados, Ranieri Mazzilli.

Muitas pessoas citam essa época como a #Ditadura militar, quando na verdade não houve ditadura, pois não houve golpe.

O deputado Jair Bolsonaro deixa bem claro no vídeo abaixo a verdade dos fatos sobre a política de 1964:

#JOAO GOULART #Jair Bolsonaro