Todos os livros, blogs, sites, vídeos, dentre outros materiais produzidos por especialistas em #educação financeira do Brasil e do mundo ensinam formas simples que qualquer pessoa pode adotar para ter o controle sobre suas contas pessoais e quem sabe até alcançar a tão sonhada "independência financeira".

De acordo com o consultor financeiro, professor e escritor Gustavo Cerbasi, "independência financeira" é a condição que lhe permite viver de seus investimentos sem precisar trabalhar. Trabalhar seria uma opção e não uma condição. Para dar passos firmes nessa direção, podemos resumir 3 etapas que funcionam como eixos norteadores: Estabelecimento de Metas - Diagnóstico e Ajuste - Estratégias de Ação.

Publicidade
Publicidade

Sonhe!

A primeira coisa a fazer é Estabelecer as Metas/Sonhos que se deseja alcançar e focar esforços neste sentido. Desde pagar e viver sem dívidas, conquistar um bem ou mesmo ser independente financeiramente, tudo é válido, desde que sejam metas possíveis de serem alcançadas a curto, médio e longo prazo. Afinal são nossos sonhos que nos movem ou não?

A etapa do Diagnóstico e Ajuste consiste em fazer um levantamento minucioso de todas as receitas e despesas realizadas ao longo de um mês, por exemplo. Feito isso, passamos para análise dos dados levantados. Se a soma das despesas é superior às receitas, há um problema que precisa ser resolvido. Faz-se necessário redimensionar ou cortar gastos que não agregam significado.

Se depois deste exercício, ainda assim, houver saldo mensal negativo, a solução é ajustar o padrão de vida, pois o lema de uma boa educação financeira é prático, embora desafiador em termos de Brasil (onde somos bombardeados com apelos de consumo e penamos com as taxas de juros mais altas do mundo): tenha um padrão de vida coerente com o que você ganha! Nunca acima!

Tome decisões!

Posto isso, há algo imprescindível e fatal: decidir com o quê você gasta seu #Dinheiro.

Publicidade

Parece ser uma questão muito simples de resolver, mas não é. Quando você se envolve com o tema da educação financeira e está na fase no Diagnóstico e Ajuste, o exercício de identificar as coisas que tem realmente significado exige um (re)conhecimento de si e de suas prioridades. Abrir mão de um bom livro, de uma saída com os amigos ou de uma sessão de dança são decisões que exigem reflexão, pois cortar gastos que julgamos serem "supérfluos" podem trazer problemas de outras ordens.

Equilibre-se!

Estamos neste ponto diante da solução para o mistério que consiste em sabiamente responder a questão: o que é valor pra mim que justifique gastar meu dinheiro? - esta é condição para tomada de decisões coerentes com nossas metas e com o nosso bem-estar presente.

A terceira etapa consiste em elaborar, executar e acompanhar com disciplina as Estratégias de Ação. Administrar bem o dinheiro, gastando com coisas que são realmente importantes, e fazer investimentos que oferecem uma boa rentabilidade, com risco aceitável, tem haver com um bom nível de conhecimento e com a subjetividade de cada pessoa.

Publicidade

Por fim, a palavra "equilíbrio" cai muito bem quanto o tema é a relação entre Dinheiro - Presente - Futuro. Viver, exclusivamente, na perspectiva de um futuro, negando o presente, é loucura. E viver como se o amanhã não viesse é ingenuidade. Equilibrar-se é a resposta! #Equilíbrio