Nos últimos dias um vídeo postado na plataforma do YouTube vem fazendo sucesso na internet. O vídeo que ironiza a parcialidade da imprensa americana já foi visto por milhares de pessoas. O vídeo mostra algumas cenas em que jornalistas, apresentadores de TV e até mesmo analistas, que até então pensava-se que eram isentos e sérios, mostram sua total parcialidade durante as eleições americanas que aconteceram em novembro do ano passado.

Analista é alvo de chicota

Em unanimidade, todos esses integrantes da grande #Mídia americana não faziam questão de esconder sua preferência pela candidata derrotada, Hillary Clinton. Em um trecho do vídeo, quando um jornalista pergunta para uma cientista política sobre qual candidato do Partido Republicano possuía mais chances de chegar à casa branca, ela responde que Donald Trump era o nome republicano que tinha mais chances de vencer um candidato democrata, e assim, se eleger o presidente da América.

Publicidade
Publicidade

Após responder a platéia do programa gargalhou e uma das participantes do debate do programa virou-se para os demais jornalistas e reproduziu uma expressão facial de espanto. Na ocasião Donald Trump ainda não havia sido nomeado como o representante do Partido Republicano para a presidência.

Semelhanças com a mídia brasileira

Muitos brasileiros estão cansados dos meios de comunicações tradicionais, que já estão há anos no país. O que se vê pela internet é uma grande desconfiança em relação a grandes veículos de comunicação, pois percebe-se que eles fazem os mesmos lobbys para certas figuras e escarnecem outras. Acredita-se que o problema não é a marca de algum grande jornal em si, e sim o fato de grande parte de seus componentes estarem alinhados com certas cartilhas ideológicas de partidos políticos, e com isso acaba pintando um político como mocinho e o outro como lobo mau.

Publicidade

Diante disso fica a dúvida: ou a classe jornalistica está vivendo uma grande crise de ética, ou então apenas não possui nenhum compromisso com a verdade mesmo.

Assista ao vídeo:

#Trump #EUA