A cidade de Venâncio Aires, no Rio Grande do Sul, iniciou 2017 com um alarmante índice de violência contra as mulheres. Foram registrados, no mês de janeiro, 33 denúncias de agressão à #Mulher na cidade. A #Violência moral, a prática sexual sem consentimento e a violência física, são os principais casos registrados na cidade gaúcha. Crimes que acontecem, muitas vezes, por excessos de homens, na maioria drogados e alcoolizados, sem nenhuma estrutura familiar por conta do consumo abusivo dessas substâncias. Segundo Cássio Oliveira, responsável que contabiliza o número de denúncias na delegacia de Venâncio Aires, a maioria dos casos são referentes apenas aos registros de ocorrências contra os seus parceiros, perante pedido de medida protetiva, ou seja, somente os casos que são levados à Justiça.

Publicidade
Publicidade

Se forem contabilizados os casos onde não há pedido de proteção, chegamos próximos a casa dos 100 registros de ocorrências ao mês, afirmou ainda Oliveira, levando em conta que não há sequer um dia sem 02 ou 03 registros dessa natureza.

Causas diversas

Segundo a DPPA, (Delegacia de Polícia de Pronto-atendimento) de Venâncio Aires, a maioria das vítimas denuncia seus parceiros pelas mais diversas causas, algumas delas chegam a ser revoltantes até para quem já está familiarizado com esse tipo de problema.

Atendimento às mulheres agredidas

Todo trauma gerado por algum tipo de violência contra a mulher, seja ela moral ou física, deve ser tratado por médico especializado nesses tipos de ocorrências. Todas as mulheres que registraram ocorrência na delegacia de polícia, e que sofreram violência doméstica, foram encaminhadas ao PAM- Posto de Atendimento Médico de Venâncio Aires, para tratamento psicológico.

Publicidade

Existem casos mais delicados, onde não basta o tratamento psicológico, e que as pacientes muitas vezes, necessitem tomar alguns medicamentos.

Os tratamentos são feitos pelas psicólogas, Dra. Aneline Decker e Dra. Márcia Preuss, que são responsáveis por todo o atendimento às vítimas de violência na cidade. Elas também orientam suas pacientes sobre a importância de se fazer as denúncias para que as autoridades possas ter o controle sobre esses casos provocados, muitas vezes, por excesso de #machismo.