Por ser considerado mandante do #Crime, Bruno teve sua pena aumentada. Por confessar o crime, Bruno teve sua pena diminuída. E agora o STF concluiu que houve exagero no prazo de reclusão. Dá para entender a confusa Justiça brasileira?

Em 8 de março de 2013, Bruno foi julgado por homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver, totalizando 22 anos e 3 meses de prisão.

Nesta terça-feira (21), o ministro Marco Aurélio do Supremo Tribunal Federal (STF), entendeu que houve exagero na pena no que se refere ao prazo. Em reportagem publicada no jornal extra na internet Marco Aurélio disse que "nada justifica Bruno ficar preso por seis anos e sete meses sem que tenha conseguido um habeas corpus.

Publicidade
Publicidade

A essa altura sem culpa formada, o paciente está preso há 6 anos e 7 meses. Nada, absolutamente nada, justifica tal mas fato. A complexidade do processo pode conduzir ao atraso na apreciação, mas jamais à projeção no tempo de custódia que se tem com a natureza".

Segundo o ex-delegado que investigou Bruno, Edson Moreira (PR-MG), a saída do atleta é incentivo à criminalidade e que pode parecer que o crime compensa, mas não compensa. Porém, a liberdade do goleiro pode fazer com que os restos mortais de Eliza Samudio jamais seja encontrados. Edson Moreira chamou de vago o entendimento de Marco Aurélio e o caracterizou como um ministro polêmico, em razão das suas decisões na maioria das vezes terem sido polêmicas.

Esta decisão teve grande repercussão entre internautas. Posicionamento a favor e contrário dividiu opiniões.

Publicidade

Em meio a dezenas de comentários o ''sem corpo não há crime'' chamou a atenção. Quanta ingenuidade nesse comentário. Então podemos concluir a partir desse que todos homicídios com ocultação de cadáver não caracterizam crime. O que seria uma loucura contestável. Essa opinião, e tantas outras desprovidas de sensibilidade, atinge brutalmente o emocional da familia da vitima e prova ainda mais que o ser humano tem memoria curta, sobretudo os brasileiros.

Liberdade inesperada

Bruno foi liberado as 19h 35 desta sexta-feira (24) da Apac (Associação de Proteção e Assistênçia ao Condenado, em Belo Horizonte. O goleiro deixou a prisão de carro com a companhia da esposa, Ingrid Calheiros e advogados. Em conversa rápida com com jornalistas Bruno mencionou a frase ''Gloria a Deus por tudo''.

E voçê qual sua opinião sobre a decisão de Marco Aurélio? Foi uma medida acertada permitir o goleiro aguardar o julgamento em liberdade? #Goleiro Bruno