Muitas podem ser as explicações de o brasileiro gostar tanto de autoajuda: crise econômica, religião, busca por prosperidade, etc. Segundo a revista Veja, cerca de 28 milhões de brasileiros leram "O Homem Mais Inteligente da História", narrativa ficcional de augusto Cury, psiquiatra e escritor que encontrou a fórmula perfeita para atrair os leitores brasileiros: drama misturado com soluções para uma vida melhor consigo mesmo e análises. Essa mistura de gêneros caiu nas graças do povo, principalmente por se tratar de uma das maiores personalidades do mundo, ninguém menos do que Jesus Cristo.

O romance se trata de uma mesa redonda entre teólogos e cientistas que começa numa reunião da ONU (Organização das Nações Unidas).

Publicidade
Publicidade

Cury escreve de uma forma clara, fazendo com que seus leitores possam entender conceitos da psiquiatria.

Em 2016, terminou o ano à frente de campeões de venda como a saga Harry Potter, engrossando assim a lista de outros vencedores que atestam o fato do gosto nacional pela autoajuda, "O Segredo", de Rhonda Byrne, e "Philia", do padre Marcelo Rossi.

Ficção ou Autoajuda

Pode até ser que muitos não aceitem que a obra não é de autoajuda, pois se trata de um romance, uma obra de ficção. No entanto, isso não inibe Cury de mostrar seu lado médico, exemplo disso foi o outro bem sucedido "#O vendedor de sonhos", que narra a história de um maltrapilho que caminha arrebanhando "discípulos" e tentando mostrar à humanidade que ela está corrompida e robotizada a ponto de não aproveitar a vida. Assim, o autor trabalha conceitos religiosos, filosóficos e, claro, psicológicos.

Publicidade

Certo é que, independentemente do psiquiatra, o escritor vai bem das pernas, já que as histórias são típicas do cotidiano das pessoas, o que transforma a obra em uma espécie de flashes da vida de cada um, sempre há uma identificação que consequentemente é tratada pelo livro.

Galeria de grandes escritores

Ainda que alguns acadêmicos torçam o nariz, não dá pra negar que Augusto Cury já ganhou notoriedade, claro, nem sempre o livro que vende muito é uma obra excelente, porém, mais de uma obra do mesmo autor vender mais de vinte milhões não é de se desprezar, O mesmo já sofreu (e sofre ainda) #Paulo Coelho, que é aclamado na Rússia, terra de Dostoievsky, quer mais? #Russia