O ano novo para muitos brasileiros começa após o carnaval. Então vamos buscar soluções para os velhos problemas que o carnaval esconde com a máscara da alegria; não vamos nos enganar, pios nunca é tarde para mudar a realidade. Os problemas cotidianos estão se mostrando cada vez mais e cada um tem que fazer sua parte para que o Brasil reaja a tantas mazelas da sociedade.

Vivemos um enorme contraste entre os indicadores do mercado financeiro e a verdade econômica que cada um sente no bolso. Nos noticiários, a bolsa sobe, o dólar desce, as previsões de juros estão menores. Mas o #Desemprego está cada vez mais alto, os estados cada vez mais falidos, a saúde e as escolas públicas estão decadentes, a segurança não existe por aqui, as empresas enfrentam dificuldades financeiras e sem capacidade de investir.

Publicidade
Publicidade

Com a crise prolongada e a falta de expectativa, a #Economia do Brasil podem ainda demorar cerca de dez anos para ser totalmente recuperada.

A recessão enfrentada nos últimos anos fez com que o PIB do Brasil acumulasse grande queda desde 2014, e só voltará a crescer gradualmente apenas a partir de 2018.

A economia brasileira encolheu mais de 9% desde o início da crise, acertando em cheio o bolso da população. O PIB do Brasil sofreu perda na crise atual, sobretudo por falta de investimento e pela falta de crescimento da População Economicamente Ativa (PEA), que em anos anteriores ajudava a aumentar a capacidade de crescimento do Brasil.

No mínimo cinco unidades da federação estão com seus recursos afetados e falta capacidade para honrar seus compromissos financeiros. O Rio de Janeiro já decretou estado de calamidade pública em função da crise financeira, mas outros estados como Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás e Alagoas também estão em grave crise financeira e estão exigindo mais recursos federais.

Publicidade

Faltam empregos, saúde e escolas

A taxa de desemprego do Brasil saltou a 12,6 por cento no trimestre encerrado em janeiro devido ao aumento da procura diante do cenário de recessão, com o país iniciando o ano com quase 13 milhões de pessoas sem uma colocação, isto é um claro sinal de que o mercado de trabalho ainda deve demorar a se recuperar.

Hoje as pessoas buscam trabalho por sobrevivência, escolher emprego não é mais prioridade e todo tipo de trabalho é bem-vindo, as empresas precisam sobreviver, precisam cortar custos, e isso acarreta a dispensa de funcionários e crescem os empregos informais.

Em meio à crise, a saúde e a educação pública que já eram péssimas tendem a piorar, já que muitas pessoas estão deixando planos de saúde e escolas particulares e migrando para a saúde e educação públicas. A escassez de recursos é comprovada, mas a falta de uma gestão séria em aplicar os recursos de forma correta e sem corrupção só agrava a situação.

A onda de violência desencadeada nos últimos meses mostrou a fragilidade da #Segurança Pública em todo o Brasil e os problemas relacionados com o aumento das taxas de criminalidade, o aumento da sensação de insegurança, a deterioração do espaço público, as dificuldades relacionadas à reforma da justiça criminal, a superpopulação nos presídios, greves de militares, rebeliões e fugas, estão entre outros problemas aparentemente sem solução representam desafios que devem ser enfrentados pelos brasileiros.

Publicidade

Existe solução para nossas mazelas?

Se o ano começa agora para muitos brasileiros, vamos pontuar os graves problemas que teremos pela frente. Essa pausa do carnaval apenas mascarou o que teremos que enfrentar. Vamos parar de reclamar e começar a agir. Falar menos e exigir mais. Se cada um fizer sua parte, já estaremos ajudando.

Não somos cegos, precisamos de mudanças estruturais na economia, que envolvam reformas para aumentar o investimento, desburocratizar e acabar com a corrupção, para tornar o país mais produtivo, confiável e seguro.

Então guarde sua máscara e encare a realidade, cobre seus direitos e cumpra seus deveres, para que um novo Brasil possa renascer após o carnaval.