Kim Jong-nam, irmão do ditador norte-coreano Kim Jong-un, morreu no dia 13 de fevereiro do ano corrente. As suspeitas ocorrem tanto por quem não é manipulado, como por quem é manipulado. Quem não é manipulado, como os Estados Unidos e a #Coreia do Sul, não conseguiram engolir que duas mulheres, por motivo aleatório, simplesmente quiseram matá-lo. Os manipulados ficam calados por medo.

As duas mulheres são suspeitas de matar o meio-irmão do ditador norte-coreano. Segundo a 'Veja', uma delas foi presa pela polícia malaia após análise de imagens do circuito interno do aeroporto, onde Kim Jong-nam foi morto. Ela e sua cúmplice seriam espiãs norte-coreanas que atuaram sob norma do ditador para matar seu irmão Kim Jong-nam.

Publicidade
Publicidade

Antes das suspeitas serem identificadas, a administração dos Estados Unidos informou “acreditar piamente” que espiões da #Coreia do Norte mataram na Malásia o meio-irmão de Kim Jong-un.

Conclui-se que o socialismo só mostra como a morte é a lei integral do regime, tanto de amigos, ou familiares, que de alguma forma ameacem o poder em vigência.

A obra de George Orwell

Parece roteiro de livro o que acontece no regime da Coreia do Norte. O grande clássico: 'A Revolução dos Bichos', de George Orwell. A obra retrata como um regime socialista tende a concentrar o poder e derrubar quem quer que seja para permanecer nele.

O livro se baseia na época da URSS, quando Stalin faz coisas absurdas e atrozes para manter sua ditadura e seu poder.

Um caso bastante conhecido aconteceu quando o líder da Revolução Russa de 1917, Vladimir Lênin, morreu e deixou um vácuo de poder na URSS.

Publicidade

É aí que começa de verdade os desmandos e contradições do socialismo real, baseado em um único partido.

Para que tenha a aprovação do povo, Stalin - um dos candidatos ao poder, porque ainda tinha Trotsky com certa fama e com uma considerável aprovação - começa sua política de lavagem cerebral por meio de uma imprensa estatal altamente controlada: Direção-Geral de Assuntos Literários e Editoriais (Glavlit, em russo), censurando tudo aquilo que não interessava ao Partido Comunista.

Foi na década de 40, e fazendo uma suposta comparação com a Coreia do Norte, que Trotsky foi morto no México com suspeitas de Stalin como mandante. Além de Trotsky, quando ainda vivo, em um artigo, acusá-lo de ser o mandante da morte de Lênin.

O que acontece hoje, no regime de Pyongyang, parece ter fato histórico parecido. Na época da URSS, as mortes eram de pessoas contrárias ao regime ou pessoas exiladas. Eram mortes misteriosas, que, por medo ou por ocultação de provas, eram esquecidas. #EUA