A foto famosa da imagem do ex-presidente Jânio Quadros onde o vemos por trás, com o corpo inclinado de um jeito e os membros e cabeça para outro lado, como um boneco em que cada parte iria em uma direção diferente da outra, poderia, sem medo de errar, ser usada nestes dias de hoje para retratar o mesmo clima político daquela época hoje, o do desgoverno. A Operação Lava Jato se materializou em um maremoto, que, depois de passar pelo Congresso, deixará como única opção de recomeço um arremedo de reengenharia, onde se reconstrói a partir dos escombros.

Sobra a esperança de uma reforma ampla no modelo adotado até aqui. A democracia representativa parece que acabou no Brasil e deveria ser substituída, pelo fato que não funciona mais.

Publicidade
Publicidade

Quase a metade dos representantes do povo está direta ou indiretamente envolvida em acusações na Justiça, após várias delações premiadas. Enquanto isso, os governantes estão empenhados em mudar as leis para que escapem impunes e se mantenham no poder pelo voto popular conquistado em campanhas financiadas por grandes corporações.

É como tem sido até agora. Tudo se mantém graças à subterfúgios e mentiras, à promessas de campanha indecentes e fraudulentas.

Temos que aturar supostos candidatos para as eleições de 2018 desprovidos de propostas novas. A única existente é o velho e decrépito jargão "preservar a gloriosa democracia representativa", essa que nos trouxe até aqui e que vem deixando um rastro de desastre e de cinismo incomensurável.

Muitos interesses obscuros são martelados em nossos ouvidos, assim como que a democracia representativa é a vontade do povo, mas sabemos que não.

Publicidade

É por isso que temos de buscar saídas melhores, convencidos de que elas existem.

A democracia representativa é uma falácia e é manipulada. As doações de campanha são escancaradamente a compra de votos em benefício dos ricos que estão aí no poder, os mesmos, há séculos.

Famílias que se mantêm no poder às custas do recurso que recebem de doações, ou do erário, ficando pendurados no cangote dos doadores e sujeitos à sua vontade. A coisa está de tal modo que o modelo não se renova. Havemos que provocar a mudança ou então estaremos as portas da escravidão, de volta ao pelourinho.

Cumpre considerar outros caminhos, buscar maneiras de aprimorar o sistema, fugindo da esparrela, construindo um novo leme que fique firme no lugar.

Um sistema de governar mais justo, pois este que temos aí definitivamente faliu. #brasileiro #Janio Quadros #Lava Jato