Com o aumento exponencial da ótima gestão do atual prefeito de São Paulo, João Dória, muitos veículos de comunicação, e a própria população, especulam a candidatura do mesmo à presidência da República. Porém, Dória esbarra nesse avanço por ter como seu padrinho político Geraldo Alkimin, atual governador do estado de São Paulo, e que também vislumbra tal liderança.

Seria possível, então, uma união entre ambos para formação de chapa única? Dória vem se destacando com trabalhos e projetos que avançam, com algumas polêmicas, mas que mesmo assim contam com apoio popular.

"João Trabalhador", como se autointitula, afirma acordar cedo e dormir pouco; ele compartilha sempre seus encontros e trabalhos, o que gera sucesso nas redes sociais, com alto retorno de visualizações, curtidas, comentários de apoio e compartilhamentos.

Publicidade
Publicidade

É o mundo digital atuando a favor do gestor, que não quer ser rotulado como governante por afirmar não ser político de carreira.

Geraldo Alkimin, que disputa a liderança do PSDB junto com o Senador José Serra e o Senador Aécio Neves, vê seu pupilo político #João Dória adquirindo aclamação popular por tal liderança. Porém, Dória se esquiva dessa disputa, correndo pela tangente, ultrapassando os problemas do atual cenário da política brasileira, onde não detém de desgastes de imagens, como delações ou investigações.

O próprio partido tucano já pensa em apoiar João Dória. Será que a articulação de Geraldo Alkimin emplacaria o pupilo a ser candidato a Vice-Presidente numa eventual união e formação de chapa única?

O que se sabe por enquanto é que João Dória afirma apoiar e fazer campanha para Geraldo Alkimin, caso este seja escolhido para liderar a candidatura presidenciável dos tucanos, já que Dória prometeu cumprir todo o mandato e não abrir mão da gestão municipal.

Publicidade

Será que o clamor popular pelo ótimo trabalho refletirá acima dos interesses políticos e articulações partidárias? Por enquanto, quem ganha com isso é a população, que cobra exemplos e realizações, além de um histórico impoluto, digno e honesto dos políticos. #Eleições 2018 #Opinião