No complexo mundo dos #Relacionamentos, vem em nossa cabeça um turbilhão de coisas que nos envolvem e nosso parceiro. O momento emocional vivido nem sempre deixa claro para nós, o que de fato estamos sentindo e a pergunta vem à tona: o que, de fato, as pessoas sentem? Somente desejo sexual pelo outro ou de fato estão realmente apaixonadas mesmo? Difícil dizer... esse artigo irá ajudar a você a tirar todas as dúvidas, sobre todos os sentimentos que acontecem alguma vez na vida.

Se for feita uma análise a fundo o momento emocional que as pessoas estão vivendo, é possível saber o que realmente elas sentem em relação ao outro e descobrir as #Diferenças entre tesão, amor e apego.

Publicidade
Publicidade

O desejo sexual é algo físico, ou seja, tudo baseado no pecado capital da luxúria e muita testosterona do corpo humano. É uma coisa de instinto que não precisa de nenhum afeto com o outro, simpatia ou compromisso com a outra pessoa. Quem nunca escutou a expressão: sexo sem compromisso? É o tesão, no seu auge.

Já o romantismo do amor faz canalizar toda a energia, sexual e emocional em somente uma pessoa se desviar a atenção com outra. Segundo os psicólogos, é uma questão hormonal em que o corpo fica motivado, mais concentrado e bem mais produtivo em todos os sentidos. O amor, de uma certa forma, exige um maior esforço e comprometimento dos parceiros em prol da relação, além de ser uma experiência única e fora do comum.

O apego afetivo, por outro lado, é quando os parceiros ficam por pouco tempo ao lado da pessoa que gostam e já criam um vínculo inexplicável com o mesmo.

Publicidade

Isso acontece por várias razões e a primeira delas é de responsabilidade dos hormônios que transmitem uma sensação de calma, tranquilidade e uma ligação quase que cósmica com a pessoa amada. É claro que cada situação tem vantagens e desvantagens como tudo na vida e cabe as pessoas decidirem o que querem sentir a respeito do outro. A verdade é que são sensações muito gostosas, cada uma com sua peculiaridade. O ideal é que todas as pessoas vivenciassem isso, pelo menos uma vez na vida.