O Brasil invade gigantes de alimentos nacionais e internacionais, alegadamente vendendo carne podre. Enquanto isso, o presidente do Brasil, #Michel Temer, leva ministros, embaixadores de 27 países, que compram carne do Brasil, e representantes de frigoríficos, para churrascaria que serve 80% de carne importada.

Os brasileiros, já sem condições hospitalares dignas, devem se manter atentos a evitar produto contaminado. Os únicos seguros são os que criam seu animal para abate, pois estes sabem o que estão levando à boca.

A ironia neste caso é que mais um escândalo se descortina frente aos consumidores brasileiros. Comunicadores como Fátima Bernardes, garota propaganda de uma marca envolvida no escândalo, e Tony Ramos, garoto propaganda de outra, poderiam se constranger com suas imagens aliadas a produtos fraudulentos e sem idoneidade moral.

Publicidade
Publicidade

Dois dos maiores produtores de carne, JBS e BRF, que vendem carne ao redor do mundo, se envolveram em uma incursão maciça contra produtores de carne, que supostamente subornaram os inspetores para certificar a carne que estava podre ou manchada com salmonela. A Polícia Federal em Curitiba disse que as invasões desenterraram mais de 30 casos de frigoríficos pagando subornos.

Parte da carne suspeita seria servida em almoços de escolas públicas. Há evidências de que outra parte da carne estava destinada a mercados na Itália e na Espanha.

Tony Ramos, ator de comercial de uma das marcas envolvidas, tem sido muito acessível às entrevistas. Tony declara não ter vergonha de sua imagem estar associada à marca de carne de má procedência. Esclarece que aceitou fechar acordo e fazer propaganda institucional do frigorífico, após criteriosa investigação na marca patrocinadora.

Publicidade

Acreditou se tratar de uma marca que exporta para o mundo inteiro, e desta forma com idoneidade moral. Há três anos, por conta de ser consumidor de carne junto com esposa, filhos e netos, sua intenção era a de levantar bandeira contra abate clandestino no Brasil, ainda hoje responsável por 25% da comercialização para consumo no país.

Crédulo de que tudo será esclarecido, Tony Ramos diz que continuará consumindo carne. Possivelmente o veremos num futuro próximo esclarecendo o pressuposto mal-entendido. Mal-entendido este que poderá causar muitas intoxicações alimentares. Fica aqui o repúdio frente a mais uma indústria capitalista inescrupulosa.

Mais uma indústria que não mediu consequências ao comercializar produto adulterado, denegrindo o nome de nossas divisas no exterior e colocando em evidência, novamente, as fiscalizações de produtos e bens de consumo no Brasil. #Carne Fraca