No mês do Dia Internacional da Mulher, as flores e homenagens disparadas incessantemente por meio das redes sociais, passam quase despercebidas diante dos fatos que comovem e assustam o mundo. Neste mês de março, a história da colombiana, encontrada em Londres em uma situação deplorável, ascendeu os holofotes para a questão do tráfico humano, sobretudo de #mulheres latino-americanas.

Pendurada e com graves ferimentos, a mulher havia sido estuprada ao mesmo tempo em que sofria um aborto. O caso foi relatado em detalhes para a reportagem da BBC Mundo. A mulher que não teve o nome revelado, com o intuito de proteger sua identidade, foi enganada e conduzida até a Europa no ano de 2000, sob o desejo de se desvencilhar das lembranças assustadoras dos abusos sexuais que recebera durante parte de sua vida.

A caminho do inferno

O tráfico humano é uma prática silenciosa que apanha mulheres em todo o mundo (relembre o caso da ex-bailarina que aliciava mulheres no Brasil). Na maioria das vezes, elas são enganadas com propostas de trabalho falsas ou, através de uma tática mais atual de aliciamento: relacionamentos com pessoas de outros países. ‘Os namorados’ têm por único objetivo enganá-las e conduzi-las ao exterior, para que então, a prática de exploração sexual, seja de fato, consumada.

De acordo com Yenny Aude, Diretora de uma Ong que presta total apoio a mulheres latino-americanas vítimas de tráfico no Reino Unido, elas geralmente não entendem que foram padecentes, e pedem ajuda por outros motivos, em função da ausência de informação sobre tais crimes.

Yenny, ainda em entrevista a BBC Mundo, disse que atualmente, mais do que com propostas falsas de emprego, as mulheres levadas ao tráfico na Europa, são colocadas em uma situação de relacionamento com homens estrangeiros. Eles iniciam um suposto namoro, e depois de ganhar a confiança, sugerem que as vítimas venham a seu encontro em outro país. Depois da decisão de ir em direção ao falso namorado, elas se veem diante da realidade do tráfico humano, tendo que enfrentar por consequência, a prostituição forçada.

Falsificação de documentos

Julián Chávez Lemos, advogado que prestou assessoria jurídica em imigração e direitos humanos em consulados latino-americanos no Reino Unido, afirma que há uma dificuldade em estabelecer números mais precisos com relação as estatísticas de tráfico humano: a falsificação de documentos. Os passaportes de muitas dessas mulheres latino-americanas são alterados e elas simplesmente desaparecem, depois de capturadas pelas redes de tráfico.

Em entrevista concedida a BBC Mundo, o advogado Julián Chávez disse que Espanha, Holanda e França, estão na rota utilizada com mais frequência pelos traficantes, e que muitas mulheres não informam a nacionalidade por medo de serem deportadas aos países de origem.

Relações com o tráfico de drogas

Sim, infelizmente algumas mulheres condenadas à prostituição forçada, também abastece o mercado do narcotráfico. Chávez relembra o caso de uma garota equatoriana, sequestrada e levada inicialmente à Espanha, aos 16 anos de idade. Depois de dois anos de exploração sexual e vários deslocamentos entre países europeus, ela passou por dois abortos e contraiu HIV.

Os sequestradores/traficantes, portanto, a direcionaram para o universo das ‘mulas’ do tráfico. A garota foi presa numa das mal sucedidas atividades de transporte de drogas. De acordo com Chávez, quando são deportadas aos respectivos países nativos (dentro das condições de mulas), podem sofrer consequências muito mais sérias, envolvendo inclusive, suas famílias. #Violência