Em fevereiro deste ano, uma jovem que usava turbante na cabeça, em razão de ter perdido os cabelos por conta de um câncer, foi acusada de #Apropriação cultural por duas mulheres negras. O fato acendeu discussões a respeito da apropriação cultural que é defendida por alguns indivíduos de minorias étnicas de esquerda, que acusam os brancos de incorporar elementos de suas culturas.

Em um país cada vez mais globalizado e multicultural como o Brasil, onde diferentes culturas convivem em um mesmo lugar, acusar alguém de apropriação cultural é um retrocesso e tanto. Definir a #Cultura de uma pessoa por sua cor de pele ou pelo lugar a que ela nasceu e limitá-la a utilizar somente elementos de sua cultura de origem é uma forma de segregação que não tem mais espaço no século XXI.

Publicidade
Publicidade

Empregar elementos que foram criados por outras culturas, seja de caráter religioso, social ou de qualquer outro tipo, é uma maneira de demonstrar que aquilo tem algum sentido para outras pessoas que não são originárias daquela cultura específica. E isto deveria ser motivo de orgulho para a minoria cultural que criou determinado costume.

Os esquerdistas, contudo, querem achar de qualquer maneira uma forma de gritar que alguma coisa está errada. Apontar o dedo para um branco e dizer que ele se apropriou de algum elemento de uma cultura minoritária é ser racista com sua própria cultura, quando nem os brancos estão sendo racistas.

O Brasil, assim como o resto do mundo, mesmo que a passos lentos, tende cada vez mais a não se importar com as raças, com a cor de pele e com quem criou determinada coisa.

Publicidade

Não buscar progredir nesse sentido, não transcender as raízes de sua origem e ficar preso naquilo que seus ancestrais criaram, é suicídio nos dias atuais.

Se formos analisar a questão da apropriação cultural no Brasil e no resto do mundo à risca, os negros não poderiam usufruir de inúmeros privilégios que, graças aos brancos, eles usufruem hoje em dia. O mundo é de todos. A cultura é de todos.

Todo mundo deve se sentir livre para usar qualquer elemento cultural com que se identifica, mesmo que esse elemento seja originário de uma cultura diferente da sua. Não queremos um mundo mais igualitário? Abolir o termo “apropriação cultural” e deixar as pessoas serem livres para fazerem e usarem o que quiserem é um passo para que possamos caminhar rumo à #igualdade e à cidadania plena.