O desafio da #Baleia Azul reabriu grandes discussões sobre família, #depressão, liberdade dos filhos e diálogo em casa. Dois dos principais alvos dos "curadores" do jogo são adolescentes e deprimidos, na maioria das vezes, adolescentes deprimidos. A adolescência é uma das fases mais complicadas, pois são muitas mudanças ocorrendo ao mesmo tempo.

É exatamente nessa fase que a maioria das pessoas experimenta a primeira depressão. Por este motivo, os pais devem estar de olhos bem abertos para os 8 sinais de depressão e pedir ajuda aos especialistas o quanto antes, para que seus filhos não cheguem ao extremo do suicídio. Confira a lista:

Organismo desregulado

Quando se fala em organismo desregulado, fala-se de sono, apetite, dores.

Publicidade
Publicidade

Observe os seus filhos. Se os adolescentes ficarem com muita fome e, de repente sem apetite nenhum, ligue o sinal vermelho. Passar noites em claro ou ter dificuldade de acordar é outro sinal de depressão. As pessoas com depressão sentem dores sem motivos e que não passam com medicamento nenhum. Outros sinais físicos são: suor excessivo, palpitações, tremores e medos sem motivo.

Pensamentos ruins

Jovens que falam bobagens do gênero "quero morrer" ou "vou te matar" podem estar com pensamentos ruins e suicidas. Observe-os bem de perto, converse, pergunte o que se passa e ouça o que seus filhos te falam. Os pensamentos e sentimentos não são uma coisa que as pessoas possam comandar. Se você notar que seu filho está desejando mal para as pessoas ou se está com ideias pessimistas e insistentes que não saem da cabeça, leve-o ao psicólogo ou terapeuta, pois conversar com uma pessoa de fora pode ajudá-lo nesse momento.

Publicidade

Falta de desejos

O desânimo e o desinteresse por coisas que antes eles gostavam de fazer é um forte indício de depressão. Se seu filho gostava de sair com os amigos, ler, olhar televisão, ir para festas e hoje não sente mais prazer com isso, ele com certeza está deprimido.

Manias

Comportamentos como o TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) também podem ser indício de depressão. Se você notar a lavagem de mãos em demasia ou se o seu filho estiver com medos de sair de casa, ficar sozinho ou outros comportamentos estranhos, converse com ele e leve-o ao psicólogo.

Falta de concentração ou memória

Quando os jovens estão em depressão, passam muito tempo com insônia e isso prejudica na concentração e memória. Geralmente, eles não conseguem se fixar numa leitura ou não gravam o que leram. Esquecer o que ia falar ou o que acabou de falar, são indícios que algo não está certo e é hora de buscar ajuda.

Falta de beleza

Além de não ter vontade de se cuidar, ficar com a vaidade em baixa, o organismo também demonstra a depressão com alguns sinais, tais como: pele com aspecto envelhecido, olheiras, unhas quebradiças, cabelos fracos e sem brilho.

Publicidade

As pessoas com depressão não fazem questão de parecerem bonitas.

Aparência de anestesia

As pessoas deprimidas ficam com a aparência de dopadas, como se não tivessem sentimentos ou estivessem anestesiadas para a vida. Elas ficam olhando para o vazio, como se o seu corpo estivesse ali, mas a sua alma estivesse longe.

Nostalgia

Outro forte indício é a saudade ou nostalgia. Lembrar acontecimentos passados e ficar revivendo as amarguras e tristezas. Sentir saudades dos momentos felizes, como se eles tivessem sido tão distantes da sua realidade. Fique em alerta se seu filho fica remoendo culpas e arrependimentos, pois os problemas tomam uma proporção bem maior nessa fase.

Onde procurar ajuda:

É mais fácil a família identificar os sintomas e "diagnosticar" que o #adolescente está em depressão do que seu filho chegar e pedir ajuda. Por esse motivo, é tão importante a presença e o apoio dos pais nesse momento. Em primeiro lugar a família deve manter a calma e dar o apoio necessário, pois não é uma situação fácil para ninguém.

Todas as cidades do Brasil possuem o programa federal que é o CAPS (Centros de Atenção Psicossocial), eles possuem psicólogos, terapeutas, psiquiatras. O paciente, adolescente ou não, passa por uma avaliação e começa o tratamento com o especialista mais indicado para o seu caso. O melhor de tudo é que é um programa gratuito. Para mais informações, pode-se ligar para 0800-611997 ou ir até os postos de saúde da sua cidade.

Outro programa que ajuda as pessoas com depressão é o CVV (Centro de Valorização à Vida), mas esse é para o caso de pessoas que precisam conversar e pensam em suicídio. Eles dão apoio e conversam com as pessoas tirando estas ideias da cabeça delas.