Sinais de fumaça no horizonte são indicativos de incêndio na floresta. A Caixa antecipa os saques das contas FGTS inativa. Parece haver uma urgência injustificada para isso. O pacote de reformas político-eleitoral, previdenciária e trabalhista anda a passos de gigante, prova disso foi o atropelo na aprovação da Lei da terceirização e, pior ainda, foi que o Presidente Michel Temer sancionou a referida Lei na velocidade de um relâmpago.

Tem ainda a pressão popular e da sociedade civil organizada no sentido de se acabar com a prerrogativa de foro, "Foro privilegiado".

Crise interna no velho MDB de guerra, hoje PMDB - Disputa de poder entre Michel Temer e Renan Calheiros

Na era do Governo Militar existiam dois partidos políticos, ARENA, de direita e MDB, de esquerda, que sobreviveu no fisiologismo e tomou nova roupagem até virar PMDB.

Publicidade
Publicidade

Nesta semana a guerra-de-trincheiras evoluiu para artilharia pesada, no embate pelo controle da sigla partidária.

É briga de cachorro grande, muitos interesses em jogo na dança das cadeiras, medos e apreensões de perderem suas regalias e privilégios como caciques.

Bem, voltemos aos saques do FGTS e terceirização - os sinais de fumaça que indicam incêndio na floresta estão cada vez mais cinza. A se liberar todas as contas inativas e, o fato de bancos privados estarem aceitando fazer empréstimos consignados com garantia de saldo do FGTS, são indicativos de que o fundo será extinto muito em breve.

O maior ônus para o empregador é o FGTS, seguido da contribuição previdenciária patronal. Além disso, hoje, para se demitir um colaborador sem a tal da "justa causa", o empregador paga uma multa de quarenta por cento sobre o saldo da conta ativa vinculada à sua empresa.

Publicidade

Com a Lei da terceirização, se abre a estrada para diversos objetivos, tais como; extinguir a CLT, FGTS e outros que ainda não ficaram claros o suficiente para nominar.

Notemos que esse processo já teve início no governo Dilma, com as drásticas alterações no programa do Seguro Desemprego.

Antes das mudanças impostas por Dilma, quem tivesse doze meses de carteira assinada e demitido sem justa causa adquiria o direito ao seguro. Com as mudanças, o trabalhador precisa comprovar o mínimo de dezoito meses de efetivo emprego para obter o benefício. #contaativa #pacotedereformas #segurodesemprego