'#Stealthing' é a mais recente moda sexual, uma prática que pode até ser considerada como crime. Consiste em remover o preservativo durante a relação sexual, sem o conhecimento ou consentimento do parceiro. O mais perturbador é que muitos homens estão admitindo que fazem isso como forma de agressão sexual, tanto em relacionamentos com mulheres, como com homens. Na Suíça, um caso chegou em tribunal e o homem foi condenado por #Estupro.

Foi o primeiro caso em que o 'stealthing' foi encarado como o verdadeiro problema que é. Em tribunal, ficou provado que um casal, que se conheceu pelo Tinder, se encontrou sexualmente e que a mulher se apercebeu, durante a relação sexual, que ele havia retirado a camisinha sem que ela se apercebesse.

Publicidade
Publicidade

Ela acusou-o por estupro e ganhou o processo.

Porém, ainda não se fala muito sobre este tema, até por medo de falar de muitas mulheres, mas alguns homens se gabam nas redes sociais de fazerem isso. A advogada Alexandra Brodsky publicou um estudo recentemente, onde argumenta que se o 'stealthing' ocorre em uma situação sexual consensual não tem problema, caso contrário pode imediatamente se tornar agressão sexual aos olhos da lei.

No entanto, a pesquisa de Brodsky revela que, devido às "áreas cinzentas" envolvidas no 'stealthing', muitas vítimas estão hesitantes em enfrentar a questão, e muito menos tomar medidas legais.

Publicidade

Apesar dessa hesitação, as vítimas sabem claramente que algo está errado. Nas entrevistas de Brodsky, as mulheres que foram vítimas dessa prática dizem que "foi uma violação flagrante" e causaram-lhes grande "dano na dignidade". Além do fato que as mulheres sofrem um trauma semelhante ao do estupro, ficando suscetíveis a doenças, infecções, ou até uma gravidez indesejada.

Alguns homens revelam, na Internet, porque fazem isso e existem explicações inacreditáveis. "É o direito de um homem em espalhar sua semente", é um comentário recorrente entre aqueles que praticam e promovem o 'stealthing'. O estudo até pegou em um homem específico, chamado Mark Bentson e que assume abertamente que faz isso e até criou um grupo on-line, onde ajuda outros homens a conseguirem "#sexo sem camisinha" e sem consentimento.

Nesse fórum on-line, são vários os pedidos de conselhos e os compartilhamentos de situações impensáveis. Quando as parceiras não consentem o sexo sem preservativo, alguns sugerem que ele "seja um homem" e que "pegue a namorada pelo pescoço", forçando-a a fazer o que ele quer, e para dizer para ela "tomar a pílula".

Publicidade

Porém, o mais chocante de todos talvez seja a estratégia de alguns para tornarem o preservativo mais frágil, fazendo buraquinhos ou colocando-os no congelador antes. Alegadamente, até já existiriam preservativos próprios para o 'stealthing' para venda, que se rompem com mais facilidade.

Existem poucas dúvidas que isso é crime, mas a autora do estudo já vai garantindo qeu não é fácil de provar em tribunal quando isso acontece e podem ser casos muito difíceis para as vítimas.