O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, é completamente imprevisível, mas será que ele vai atacar a #Coreia do Norte? Parece que ele ainda não se decidiu, mas o fato é que em seus 100 primeiros dias de governo ele já fez o que ex-presidente Barack Obama não teve a ousadia de fazer em oito anos, disparou dezenas de mísseis Tomahawk contra a Síria, cujo governo teria atacado a população civil com armas químicas e as imagens chocaram o mundo.

Por sorte esse episódio não teve maiores consequências, a não ser um pequeno abalo nas relações com o presidente russo, Vladimir Putin, visto que tudo indica que os norte-americanos avisaram a Rússia sobre o ataque.

Publicidade
Publicidade

Assim, os russos retiraram a tempo as suas tropas e aeronaves da região atacada.

Ainda bem, pois seriam inimagináveis as consequências se tropas russas tivessem sido atingidas. Pelo que se conhece de Putin, ele não iria deixar barato.

Mas ainda mais preocupante do que a questão da Síria e da Rússia é o que fazer com a Coreia do Norte. O país é governado por um louco chamado Kim Jong-un, que já ordenou o assassinato do próprio irmão (gente boa ele, né?!) e agora quer brincar de War, só que com armas de verdade e um arsenal nuclear nas mãos.

Então, por que os EUA não atacam de uma vez?

Porque as consequências de uma #Guerra com a Coreia do Norte seriam catastróficas. Além de possuir armas nucleares, o país possui milhares de baterias antiaéreas e milhares de peças de artilharia de elevado calibre, a grande maioria apontadas para Seul, capital da Coreia do Sul, uma cidade gigantesca com uma região metropolitana que ultrapassa 25 milhões de pessoas.

Publicidade

Para piorar, ainda fica a apenas 50 km da fronteira com a Coreia do Norte. Acredita-se que em apenas 1 hora de guerra Seul poderia ser atingida por mais de 200 mil projéteis altamente explosivos e incendiários, uma verdadeira catástrofe! Veja um vídeo que explica porque o ataque a Coreia do Norte não é realizado:

Mais um agravante é que o principal apoiador da Coreia do Norte é a China, uma das maiores potências militares do mundo, que possui em seu arsenal inclusive mísseis hipersônicos, que, como o próprio nome diz, voam a velocidades hipersônicas – muito superiores a velocidade do som, e ao contrário dos mísseis balísticos convencionais, dificilmente podem ser interceptados. Já imaginou um conflito #EUA x China?

Mais tensão

Recentemente um grupo naval norte-americano liderado pelo porta-aviões nuclear USS Carl Vinson entrou na área do Mar do Japão (também conhecido como Mar do Leste), aumentando ainda mais a tensão na região.

Os EUA também enviaram para a região o submarino nuclear USS Michigan, com 170 metros de comprimento, que pode disparar 24 mísseis a partir da água e atingir alvos a mais de 11 mil quilômetros de distância.

Publicidade

A Coreia do Norte também não deu nenhum indicativo que pretende suspender os testes de mísseis que vem realizando, muito pelo contrário. No último sábado (29) testou mais um míssil. Então, a probabilidade de um conflito na região só aumenta.

Que tal um encontro?

Como foi dito no início deste artigo, o presidente Trump é mesmo imprevisível, agora ele declarou que poderia se encontrar com o ditador norte-coreano. Se for apropriado para mim, eu ficaria honrado [em encontrar Kim Jong-un]", afirmou Trump em entrevista à Bloomberg. "Se for, repito, sob as circunstâncias corretas. Mas eu faria isso", completou.

Um possível desfecho para a crise norte-coreana é um cenário catastrófico, um “ataque preventivo” norte-americano contra a Coreia do Norte, que revidará disparando os seus mísseis e artilharia pesada contra a Coreia do Sul e o Japão, países que considera inimigos. O número estimado de mortos, segundo um estudo do Pentágono realizado ainda no governo do presidente Bill Clinton, um milhão de pessoas, no mínimo.

Um outro cenário, talvez o mais provável, é que os EUA pressionem cada vez mais a China e outros países a cessarem a sua ajuda a Pyongyang, forçando o regime norte-coreano a rever os seus planos. A possível consequência dessa decisão seria uma séria crise humanitária com milhares, talvez milhões de pessoas morrendo de fome! Incrível, eles mal conseguem produzir alimentos, mas possuem uma sofisticada indústria armamentista.

A verdade

Mas a verdade é que com dois líderes imprevisíveis como Donald Trump e Kim Jong-un tudo pode acontecer. O desfecho para essa crise é imprevisível, mas tomara que o bom senso prevaleça e milhões de vidas sejam poupadas.