O ressoar do brado retumbante de um guerreiro fez a esquerda brasileira tremer e temer de pavor. Uma mentira contada desde o ano de 1964 diz que o país teve um golpe e uma ditadura militar. Mais falso que cédula de três reais.

O que houve e está bem documentado foi um contragolpe aos comunistas e a tomada do poder pelos militares, com o aval do Congresso Nacional. Pois bem, todos os governos pós-militar, começando por José Ribamar “marimbondos-de-fogo” Sarney, até Michel Temer, estão envolvidos em denúncias gravíssimas, tendo sofrido impedimentos o caçador de marajás e a mulher que não sabia de nada.

Mas eis que alguns dissidentes descontentes mudam a marcha.

Publicidade
Publicidade

No começo não deram nenhuma importância, mas um grão de areia no sapato começa a incomodar, vira um pedregulho e evolui para uma pedra no caminho.

Dois capitães

Um do nosso glorioso Exército de Caxias, Jair Messias Bolsonaro. Outro, da Polícia Militar do Estado de São Paulo, José Augusto Rosa. Bolsonaro é um fervoroso combatente da esquerda, parlamentar de longa data. Augusto, parlamentar em primeiro mandato.

No ano de 2011, o Capitão Augusto deu início ao embrião do Partido Militar Brasileiro (PMBR), que aguarda sua homologação pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e deverá obter o número 38 - alusivo ao famoso ao trezoitão (revólver calibre 38), utilizado antigamente pelas forças de segurança.

Hoje, do alto da tribuna da Câmara dos Deputados, Capitão Augusto, envergando sua farda verde-oliva, anunciou o total apoio do Partido Militar Brasileiro ao pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro.

Publicidade

Foi o bastante para que a esquerda entrasse em polvorosa. Jair Bolsonaro desponta em segundo lugar nas pesquisas de intenções de votos. A declaração do deputado Capitão Augusto repercutiu nas redes sociais e reavivou a esperança, que já estava perdida.

Único pré-candidato puro-sangue de direita, Bolsonaro está viajando o Brasil, visitando associações de militares em busca de suporte para sua eventual candidatura.

Foro de São Paulo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, junto com o ex-presidente de Cuba, Fidel Castro, criaram um polvo com tentáculos em toda América Latina, com o claro objetivo de implantarem o comunismo e se perpetuarem no poder. A organização congrega a maioria dos partidos de viés socialista da história recente.

Implantado na Venezuela com o ditador Hugo Chaves e aprofundada com seu sucessor Nícolas Maduro, o país com uma das maiores reservas de petróleo do mundo, não tem gasolina para uso interno, sua população está morrendo de fome, comendo do lixo.

A direita brasileira atende ao clamor público para evitar que amanhã o Brasil seja a Venezuela de hoje. #capitaoaugusto