Um filme épico Hollywoodiano, que fez um estrondoso sucesso e ganhou Oscar em profusão foi um chamado " Ben Hur" uma história que retratava a sociedade contemporânea da época em que Cristo estava entre nós.

Além da ótima história e do maravilhoso elenco, revela também como aquela sociedade antiga tratava as pessoas. As diferentes das consideradas "norlmais", ou seja, quer dizer daquelas que eram consideradas normais, e entre estas anormais estavam os leprosos, os morféticos, malucos, e os possuídos.

O medo da peste, do extermínio que ela representava, e até hoje representa, aliadas aos conhecimentos ainda muito rudimentares daquela época, impunha às comunidades medidas cruéis.

Publicidade
Publicidade

Nas cidades muradas dos séculos ll , lll, ou mais , era obrigatório a expulsão dos moribundos atirando eles extramuros sem dó, e nem piedade.

Obrigando aos infelizes procurarem locais distantes em cavernas ou matagais, onde até o alimento era lançado de longe para evitar o mínimo contato interpessoal.

Incrível é que nos dias de hoje ainda restam os que consideram o doente psiquiátrico um risco para os demais seres humanos, assim como os que tem AIDS, os tuberculosos e outros mais, e admitem que eles devem ficar isolados, em manicômios ou hospitais, intramuros, longe da gente saudável.

Mas não está nestes atuais isoladores de gente, o atributo da ignorância ou do medo, porém um impulso cruel em direção ao mercado, ao lucro, sem a menor preocupação se as pobres pessoas, são seres humanos ou demônios, zumbis, consideram eles capetas urbanos.

Publicidade

Não é só a questão do tráfico de drogas, e da adição, pois é atributo do homem, e que deveria ser tratada como um problema sanitário, nunca policial. Aquelas cenas da tropa de choque avançado sobre uma leva de maltrapilhos, capengas, velhos e até crianças, foi digna de cenas medievais, inconcebíveis nos dias de hoje, cabem muito bem no roteiro de um novo filme de " Ben Hur" do século 21.

Foram necessários milhares de anos, desde a passagem por aqui do Nazareno, e do Buda, também do Profeta Maomé, e de muita gente especial para as religiões e para a filosofia para a humanidade aprender que o amor vale mais e vai vencer.

Mas parece que o Prefeito João Doria ainda trefega no primeiro século da era Cristã, ou o deus dinheiro é o que comanda a consciência dele, dado ao fato que não demostra nenhum sinal de burrice não é estupido, e nem de medo.

Agora, resta a multidão expulsa à bala buscar outro território para habitar, e o fará, impossível, porém será admitir o prefeito na nossa era, somente por um motivo, ele não quer compartilhar dos valores do século 21.

Lamentável. #Prefeito de São Paulo #Expulsos #era cristã