O governo brasileiro, sob o comando de Michel #Temer, que assumiu a presidência após impeachment da presidente eleita, Dilma Russeff, vem sofrendo com diversas manifestações públicas.

Marcado pelas manifestações, "Fora Temer", o governo brasileiro segue 2017 com mais manifestações e greves. Nesta sexta-feira, 28 de abril de 2017, a população mais uma vez voltou às ruas contra a reforma trabalhista, que tem dado o que falar.

Já nos Estados Unidos , o governo do presidente eleito Donald #Trump não está melhor que o governo do país de terceiro mundo.

Neste sábado, 29, em Washington, a população foi às ruas contra a política de reforma ambiental do então presidente.

Publicidade
Publicidade

#Manifestação contra a Reforma Trabalhista no Brasil

Marcada para acontecer nesta sexta-feira, que antecede ao feriado em comemoração ao dia do trabalhador, no país, a "Greve Geral" foi anunciada, em 31 de março de 2017, na primeira manifestações ocorrida no país contra a reforma da Previdência e as mudanças na legislação trabalhista, defendidas pelo governo do presidente Michel Temer (PMDB).

A chamada "greve geral" levou pessoas às ruas em todo o país, movidas contra a reforma sindical da lei.

Esta manifestação deixou muito patrimônio público depredado e foi marcada por vandalismo e policiamento ostensivo.

A reforma da Trabalhista ainda em pauta na Câmara, e prevê diversas mudanças. Uma delas é o fim da contribuição sindical obrigatória, conforme o Projeto de Lei 6787/16 na versão apresentada pelo relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN).

Publicidade

Tal reforma afeta diretamente os pequenos sindicatos, pois a contribuição é igual à remuneração de um dia de trabalho, o que mantém as entidades.

Em São Paulo, João Doria afirmou que colocará o prejuízo apurado na conta dos sindicatos que assinaram contra a reforma e que organizaram as manifestações.

Manifestação nos EUA

Trump, durante sua campanha à presidência, já havia classificado as mudanças climáticas como uma fraude do governo de Barack Obama. E, em março deste ano, ele cumpriu sua promessa de campanha com a indústria carvoeira, retirando regras impostas por seus antecessores.

O atual presidente assinou uma medida dando fim ao 'Clean Power Plan' , que, segundo ele, "trará empregos" para o país. E também assinou uma moratória dando direito à exploração de carvão em terras federais pelo período de 14 meses.

O 'Clean Power Plan', medida do governo Obama, impõe a redução nas emissões de CO2, pelas centrais térmicas, como medida preventiva ao aquecimento global.

O manifesto deste sábado tem o objetivo de eleger candidatos com afinidade à causa ambiental, nas eleições intermediárias em 2018, e posteriormente na eleição presidencial de 2020.

A marcha que seguiu pelas ruas da capital americana coincidiu com os 100 dias do governo de Trump.