A maioria dos brasileiros tem conhecimento de que a Cidade de #São Paulo é a maior e mais rica do país, mas nem por isso as desigualdades sociais e atitudes covardes de autoridades e instituições, que deveriam defender justamente o povo comum, deixam de existir. Pelo contrário, diante de alguns fatos vergonhosos no cotidiano da cidade grande, alguém teria razão de dizer que, por vezes, a covardia, ou melhor, que os covardes usam farda e é exatamente isso o que muitos internautas fizeram questão de externar no dia 4 de maio na rede social do Facebook. Tudo porque um morador de rua ou sem teto, como são comumente chamadas tais pessoas, sofreu agressões físicas e psicológicas perpetradas por um guarda civil na capital paulistana.

Vale frisar antes de mais nada, que a ação no mínimo imprudente e despreparada do “agente da lei” foi descabida, uma vez que o cidadão agredido em nenhum momento representou perigo em potencial a ninguém e não havia praticado absolutamente nenhuma contravenção.

Publicidade
Publicidade

Entretanto, isso não foi suficiente para que o mesmo não tivesse o seu pulso partido ao meio pelo truculento guarda civil.

Marcos Hermanson, que estuda jornalismo, teve a oportunidade de gravar um vídeo da ação hedionda, que, por ironia, foi praticada por um individuo que deveria ser guardião de princípios éticos e zelar pelo bem-estar da população. O crime aconteceu em um espaço próximo à estação Conceição do metrô de São Paulo, situada na Zona Sul da Cidade.

No vídeo, pode-se ver claramente que a vítima de nome Samir Ahamad, que tem 40 anos de idade, foi o alvo escolhido por três agentes pertencentes ao plantel da GCM - Guarda Civil Metropolitana. O rapaz já castigado pela vida dura que enfrenta diariamente, ainda levou uma tremenda rasteira literal de um dos três guardas e implorou desesperadamente e aos prantos, dizendo o seguinte: “não leva meus bagulhos, não.

Publicidade

Eu não tenho nada”.

Uma pergunta que fica no ar é se o “profissional” valentão da GCM não estivesse fardado e tivesse que enfrentar fisicamente uma pessoa bem nutrida e mais jovem, ele seria competente o bastante para agir do mesmo modo sem sofrer nenhum tipo de reação?

Conforme informações veiculadas pelo portal G1, Samir, o rapaz das ruas, iria iniciar em um novo trabalho na função de servente de pedreiro na quinta-feira mesmo; porém, agora que foi agredido e teve o seu pulso quebrado pela GCM, o trabalho digno de mais um brasileiro, se tornou impossível.

Vale frisar que o prefeito de São Paulo João Doria ordenou que os seus comandados designados recolham itens e objetos largados por moradores de rua pelos espaços públicos da metrópole, o que não era de Samir, pois não havia nada largado pelo sem teto atacado. Mediante o ato vil e condenável, registrado por um cidadão que passava na hora, João Doria, filiado ao #PSDB, se reservou a condenar a ação do GCM e solicitou que a confusão fosse investigada.

Publicidade

O policial, agressor do morador de rua, foi afastado em caráter temporário e talvez venha a ser autuado por ter praticado lesão corporal grave e imposto abuso de autoridade sobre uma pessoa fisicamente incapaz, que não ofereceu resistência à lei.

Coincidentemente um fato horrível como esse, lembra a todos de parte da letra de uma canção popular no país, que diz “Brasil, mostra a tua cara. Quero ver quem paga pra gente ficar assim. Brasil, qual é teu negócio. O nome do teu sócio...”. E você, qual a sua opinião sobre o ocorrido? #Moradores de Rua