Brasília. Não é de hoje que o Poder Judiciário vive de libertinagens com o Poder Legislativo em uma interminável troca de favores obscenos - com louváveis exceções, é claro. Mas parece que agora o festim de Baco entre juízes e legisladores ficou muito mais hard (com trocadilhos, por favor), pois ele também está acontecendo literalmente!

No dia 23 de abril, uma juíza foi para um hotel em Brasília com 3 vereadores do Piraí, município do RJ, mais uma amiga dela - que era garota de programa. Um dos vereadores levou essa amiga para o toilet e a juíza ficou na cama com os outros 2 restantes. Porém, para espanto dela, os 2 vereadores começaram a se beijar.

Publicidade
Publicidade

Sim, no fim das contas, os vereadores, não eram lá muito héteros. Parece piada, mas aconteceu.

Aparentemente, o velho e eventual threesome símbólico entre os 3 Poderes já não é mais suficiente para Brasília no sentido só metafórico. Agora o troca-troca precisa ser levado adiante a um nivel muito além, bem mais visceral e concreto de coito puro mesmo entre eles.

Talvez essa mudança apenas procure facilitar certos políticos a esconderem "dólares na cueca" de outros.

As teorias surrealistas e bobas acima podem ser jocosas, porém a noticia real não teve bom final. Os 2 vereadores chamaram a juíza prara participar da osculação, mas ela quis ir embora, então eles brigaram e absurdamente a agrediram fisicamente. A 5ª DP do Distrito Federal já conversou com a recepcionista do hotel e a acompanhante, que confirmaram a história.

Publicidade

Concluindo a reflexão #Política (que, em essência, nada tem haver com os evolvidos), o filósofo Montesquieu, em 1748, propôs a separação do Estado em 3 Poderes - Legislativo, Executivo e Judiciário - como uma forma de combater a corrupção. Já que os Poderes lutam entre si, cada um deles tolheria o outro, evitando que um só crescesse demais. Nesse sentido, o "toma lá dá cá" político entre os poderes seria algo proibido, quase incestuoso.

Quer um bom (ou mau) exemplo de algo meio assim? Leia esta notícia sobre uma escuta do senador Aécio Neves combinando com o juíz do Supremo Gilmar Mendes para articularem o projeto de Lei de Abuso de Autoridade .

Este projeto de Renan Calheiros propõe condenar juízes cujas sentenças forem contraditas em segunda instância. E condenar investigações da policia federal, se no final elas parecerem sem "justificativa suficiente". O que na prática pode significar intimidar juízes e delegados de atuarem em desfavor de pessoas poderosas - já que são elas que provavelmente poderiam processa-los depois.

Então, não deixe de comentar: seria essa mais uma tentativa de barrar a #Lava Jato, como os politicos italianos fizeram com a Operação Mãos Limpas? #Polêmica