O UFC 212, disputado no Rio de Janeiro no último sábado, terminou com derrota do brasileiro José Aldo, na luta principal da noite, e teve uma grande polêmica fora do octógono: o ator da Globo Bruno Gagliasso se recusou a sentar ao lado do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), na área vip da Arena da Barra, e deixou o local ao lado de sua esposa.

De casa, o ator postou no Twitter que já estava em seus aposentos e longe do parlamentar, a quem considera racista. A postagem de Gagliasso repercutiu, virou notícia e vários comentários foram feitos.

Entre eles, o de um homem negro que se declara fã de Bolsonaro. Em duas postagens, Alexandre Gonçalves provou que o parlamentar não tem nada de racista e refutou os argumentos de quem defende esta tese para prejudicar a imagem do pré-candidato à Presidência da República.

Publicidade
Publicidade

Postagens

Nesta primeira publicação, o internauta posta a foto do dia em que foi tomar café na casa de #Jair Bolsonaro. Além de Bolsonaro e dele, há outras quatro pessoas em volta da mesa.

“Bolsonaro é tão racista, mas tão racista, que me proibiu de entrar no gabinete dele. Não, péra...”, ironiza o internauta na segunda postagem. Os dois estão sentados, lado a lado, dentro do gabinete do parlamentar.

Por fim, o internauta ainda postou um vídeo em que então presidente Dilma Rousseff (PT) dizia que tinha muitos negros no segundo escalão do governo.

Publicidade

Um outro internauta disse que Bolsonaro quer apenas os votos dos negros e a provocação também não ficou sem resposta.

Bolsonaro racista

Jair Bolsonaro e seus seguidores costumam dizer que o deputado federal pode ser chamado de qualquer coisa, menos de corrupto. Em um meio político manchado pela sujeira da corrupção, isso conta muitos pontos para o parlamentar que deve ser um dos candidatos à Presidência da República nas eleições do ano que vem.

Entre as acusações, está a de que Bolsonaro seria racista. Estas afirmações ficaram ainda mais fortes quando, meses atrás, em palestra no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, ele criticou pessoas que vivem em comunidades quilombolas.

Publicidade

Bolsonaro afirmou que foi a um quilombo e o menor negro ali presente pesava sete arrobas (cerca de 102 quilos) porque não fazem nada e nem para procriar serviam. As palavras soaram mal e ele passou a ser criticado, principalmente, por movimentos sociais, partidos e sites ligados à esquerda.

Você considera Jair Bolsonaro racista? Deixe a sua opinião nos comentários. #Racismo