Dia 25 último ocorreu em Brasília e em outras regiões do país a Parada #LGBT's. O Ativismo da Anistia Internacional compareceu, mostrando que a luta é também pelos Direitos Humanos. Incrível falarmos sobre isso, mas é verdade. Fala-se em defender o "direito" que as pessoas têm em se amar. Lamentável ter que sair às ruas para "defender" o amor, mas os tempos são esses. O que foi visto ali, como hétero, salvo raríssimas exceções, foi a demonstração do desejo que os LGBT's têm de amar. Você não leu errado! Trios elétricos, bandeiras, multidão gritando aos quatro cantos: só quero amar e ser amado (a)!

Os (as) ativistas da Anistia Internacional embaixo dessa bandeira, orgulhosamente defendendo direitos que já temos e que são negados a outros (as).

Publicidade
Publicidade

Quais direitos? Constituir uma família, namorar em público sem ser incomodado (a), ter conta conjunta em banco, adotar, adquirir bens, deixar herança. Acima de tudo, lutamos pelo simples (?) direito de as pessoas se amarem. Mais de 15 mil pessoas clamando por amor.

Os fundamentalistas religiosos, em sua maioria, monopolizam a família, o amor e a liberdade. Tiram dos que não pensam igual o direito, previsto na Constituição, de serem tratados como iguais perante a Lei. Destinam ao inferno quem não segue seus padrões morais.

Não precisa desejar o inferno para os GLBT's. Eles já vivem em um! Inferno é ser expulso (a) de casa por não se encaixar aos padrões da sociedade hipócrita. Inferno é não poder sequer andar de mãos dadas porque será alvo de narizes torcidos. Inferno é viver na clandestinidade, não podendo prosperar, porque seu direito de adquirir documentos em conjunto é negado.

Publicidade

Inferno é morrer.

Não há muita coisa a escrever sobre o tema. Não por não ter o coração cheio de esperança, mas por tristeza mesmo. Acreditem: dói na alma sair às ruas para defender o amor.

Um dos ativistas teve seu celular furtado no meio da multidão. Atitude reprovável de quem não entendeu a causa. Estava ali a passeio. Todo o material da Anistia estava neste celular. Contudo, não tira o brilho e a importância das mãos dadas em defesa do amor. Não tira mesmo!

Precisamos repensar quem somos e o que fazemos daquilo que somos. Precisamos rever nossos conceitos: num mundo de constantes guerras declaradas à luz do dia, pessoas amam às escondidas.

Prometemos amadurecer e alargar nosso coração para que vocês caibam nele.

Deixei seu comentário, ele é sempre importante. #Anistia_Internacional