O Conselho Federal de #Medicina (CFM) está trabalhando intensamente para revisar a resolução nº 1955/2010 que é sobre a cirurgia de transgenitalismo (mudança de sexo).

O Conselho pretende fazer algumas alterações nesta resolução e a primeira delas é a redução da idade mínima para a cirurgia de redesignação sexual de 21 anos para 18 anos de idade. Além disso, o Conselho Federal de Medicina quer que o procedimento cirúrgico seja incluso nos planos de saúde, pois atualmente quem quer passar por esta cirurgia precisa ocorrer ao Sistema Único de Saúde (SUS) ou pagar pelo procedimento.

Além disso, há também uma discussão para que a transexualidade não seja mais tratada como doença, pois atualmente ela é considerada uma “disforia de gênero”.

Publicidade
Publicidade

A cirurgia de mudança de sexo

A cirurgia de redesignação sexual para 'Mulheres Trans' (mudança do masculino para o feminino) consiste em um conjunto de procedimentos que inclui a feminilização facial, aumento dos seios e a reconstrução genital. Em alguns casos, a Glândula Bulbouretral e a próstata são mantidas para que haja uma lubrificação natural na neovagina.

Para 'Homens Trans' (mudança do feminino para o masculino), a redesignação sexual consiste em reduzir os seios, lipoaspiração e reconstrução genital. Estes geralmente preferem apenas retirar os seios, pois a cirurgia de reconstrução genital do feminino para o masculino ainda não possui resultados realmente funcional e satisfatório. Ainda assim, muitos optam em fazer a cirurgia de faloplastia (aumento peniano) com médicos renomados do exterior.

Publicidade

Para o procedimento ser feito, é necessário que o paciente tenha atingido a maioridade, que passe por consultas psiquiátricas durante pelo menos dois anos, um laudo psicológico ou psiquiátrico e um diagnóstico de transexualidade.

A história da cirurgia de mudança de sexo

Em 1931, a cirurgia de redesignação sexual foi apresentada pelo Instituto Hirschfeld de ciência sexual, que fica localizado em Viena, para Lili Elbe.

Em 1952, o ex-soldado George Jorgensen Jr. se submeteu a cirurgia de mudança de sexo, nos Estados Unidos, e passou a ser chamado de Christine Jorgensen.

Em 1971, a primeira cirurgia de mudança de sexo no Brasil foi realizada pelo cirurgião Roberto Farina, em São Paulo. O caso foi tão polêmico que, em 1978, o cirurgião Roberto Farina foi acusado de infringir o artigo 129, § 2º, III, do código penal brasileiro e foi condenado por lesão corporal. O cirurgião pegou dois anos de prisão.

Em 1997, a cirurgia de mudança de sexo foi regulamentada no Brasil pelo Conselho Nacional de Medicina para cirurgias experimentais em hospitais universitários.

Publicidade

Em 2008, o governo brasileiro oficializou a cirurgia de mudança de sexo e a implantou no Sistema Único de Saúde (SUS).

Apesar de já se ter passado cerca de 65 anos desde a primeira cirurgia de mudança de sexo, este é um assunto que envolve muita discussão política, pois a maioria das pessoas são completamente contra este procedimento, ainda mais quando é feito através do Sistema Único de Saúde (SUS). #Transgênero #LGBT