O FMI (Fundo monetário internacional) aumentou as projeções de crescimento para o Brasil em 2017 de 0,2% para 0,3% de crescimento no PIB, um crescimento insignificante. As outras noticias sobre economia são aumento do desemprego, elevação de juros, inadimplência subindo e aumento dos impostos.

O cenário está péssimo pro Brasil há muito tempo, e dificilmente teremos notícias de que a saída da crise econômica está perto. Mas, algumas coisas sobre o futuro econômico do país podem ser previstas.

Para onde vamos?

Com a turbulência politica que acontece em Brasilia, a retomada do crescimento econômico fica cada vez mais longe.

Publicidade
Publicidade

Michel Temer continua perdendo força politica após recorrentes denuncias de corrupção envolvendo seu nome e o nome de alguns ministros de seu governo.

Sem a reforma da previdência, o estado continua em grandes déficits ano após ano, aproximando mais o país de uma grande crise econômica como a que aconteceu na Grécia do que da retomada do crescimento.

Entenda a situação

A dívida pública alta e a previdência privada são os dois grandes problemas do país no momento.

De acordo com os orçamentos do Governo Federal, o país vai continuar gastando mais do que arrecada até 2020, assim tendo que aumentar sua divida púbica até lá para continuar com os serviços públicos funcionando.

O problema é que as previsões do Governo estão se atualizando para previsões mais negativas paulatinamente. Em 2017, as contas federais tiveram o pior primeiro semestre em 21 anos, com um rombo de 56 Bilhões de reais.

Publicidade

O motivo foi um aumento das despesas federais e uma diminuição da arrecadação, coisas que se continuarem nesse ritmo vão quebrar o país em poucos anos e conseguirão transformar o Brasil em uma nova Grécia, só que sem a ajuda da União Europeia.

Pode ocorrer uma falência nacional?

Sim. Os programas sociais, a saúde, educação e todos os outros serviços prestados pelo governo federal estão sendo financiado com dinheiro de dívida. Ou seja, a arrecadação brasileira não é suficiente para sustentar todos os gastos do atual estado brasileiro. No ano de 2017, estima-se que 145 bilhões serão emitidos em divida para continuar a festa dos gastos e, com o percentual do PIB em divida aumentando, os juros a serem pagos também aumentam.

Caso o país não consiga pagar os juros de sua dívida, eles aumentam ao ponto em que não é mais possível emitir novas dividas; o dinheiro que atualmente é pego para cobrir as contas publicas, então, não vai mais existir, configurando uma falência no país. #noticias economia #noticias economicas #noticias de economia