É sabido que existem três frentes parlamentares com mais força no Congresso Nacional que defendem e buscam seu interesse veementemente. São elas: as do ruralistas, religiosos e segurança pública. Compondo a maioria no Congresso, juntas somam cerca de 205 deputados que ainda não declararam seus votos.

O presidente Michel Temer precisa de ao menos 172 a seu favor para evitar o julgamento contra os 342 votos mínimos necessários para a aprovação de abertura do processo para investigação das denúncias de obstrução da Justiça e corrupção passiva.

Contudo e curiosamente, o presidente vem recebendo os parlamentares dessas frentes e, consequentemente, distribuindo emendas que vão ao encontro com seus interesses.

Publicidade
Publicidade

Recentemente, essas forças parlamentares foram contempladas com emendas em alguns de seus anseios, tais como:

  • A bancada ruralista conseguiu que seja sancionada a legalização de áreas públicas invadidas em massa (conhecido popularmente em grilagem), ou seja, o sujeito invadiu uma área pública do tamanho de uma fazenda, desmatou, cercou e do dia para noite ele consegue documentar como sua legítima propriedade, tornando-se assim um produtor rural legítimo e passivo, inclusive, de benefícios do banco rural, programas governamentais, BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), entre outros.
  • A bancada religiosa também teve êxito em seu clamor ao que se refere tirar de circulação cerca de 90 mil livros didáticos que julgavam como impróprio o seu conteúdo e assim mostraram aos demais a consolidação da sua força frente ao governo atual.
  • A bancada da segurança pública ainda não teve o seu maior ou mais popular anseio, mas está com a promessa que seja estudada no segundo semestre. É o atendimento da flexibilização do Estatuto do Desarmamento, tema polêmico que segue como assunto principal de seu representante mais popular e provável candidato nas próximas eleições presidenciais, o deputado Jair Messias Bolsonaro (PSC-RJ), militar da reserva em seu sexto mandado e com uma enorme popularidade nas redes sociais e mídias contemporâneas.

Doze ministros reassumirão seus cargos de deputado federal para favorecer a base aliada nessa votação e, consequentemente, a sobrevivência do mandado de #Temer até o seu final, que é o objetivo maior deles nessa empreitada.

Publicidade

A pressão é grande de todos os lados e a impressão que se tem é que o que está em jogo não são os benefícios que geram essas emendas para a sociedade como um todo, mas sim a sobrevivência de Temer até o fim de seu mandado. #Notícias #Política