Ela toma um rápido café, escova os dentes e vai para o trabalho...

Ao chegar no escritório do seu trabalho, prepara-se para mais uma jornada de trabalho, checa os e-mails e verifica as tarefas inacabadas do dia anterior...

No entanto, antes de reiniciar as atividades daquele dia, a gerente do seu setor a informa que a empresa onde trabalha acaba de contratar um novo integrante para a sua equipe...

Paula levanta a cabeça e depara-se com um lindo rapaz que sorri para ela e dá um forte aperto em sua mão...

A partir deste momento, Paula começa a sentir sensações estranhas, sua temperatura se eleva, seu rosto fica um pouco rosado, suas pupilas se dilatam (sem ela perceber) e Paula fica mais agitada, nervosa.

Publicidade
Publicidade

Ela, que antes era uma funcionária super séria, agora ri de tudo...

O que estaria acontecendo com Paula?

Isso é mais comum do que você imagina!

Situações como essa são comuns em nossa vida e, muitas vezes, são inevitáveis, nos pegando desprevenidos.

Afinal de contas, nós não mandamos em nosso coração, nem mesmo em nossos sentimentos (principalmente se você for solteiro estará mais propenso a isso). Tudo isso a ciência explica. Vamos saber agora o que ocorre dentro de nós quando nos apaixonamos...

O que ocorre dentro de nós durante a #paixão?

Segundo os estudiosos, dentro do nosso corpo e mais precisamente dentro do nosso cérebro, ocorrem alterações químicas incríveis...

O #Amor é fruto de alterações no funcionamento do cérebro. Na primeira fase, na paixão. A emoção é regulada por fatores endócrinos, a paixão é regulada por hormônios e neurotransmissores que são substâncias químicas.

Publicidade

Os estados psicológicos da paixão e os hormônios que norteiam este sentimento

A paixão é norteada por dois sentimentos: a saudade e a motivação. Estes sentimentos ocorrem devido a alterações nos circuitos cerebrais.

Durante a paixão, dois hormônios entram em ação: a oxitocina e a vasopressina. Estes hormônios funcionam como neuropeptídeos (pequenos compostos químicos que agem localmente no cérebro).

A ação da oxitocina e da vasopressina está associada ao apego e à conexão do casal, bem como à preferência que temos por uma pessoa em específico. Essa pessoa parece que é única e ela é mais saliente do que as outras pessoas. Isso explica a sensação de que a pessoa que amamos (ou por quem estamos apaixonados) é insubstituível.

O circuito de recompensa

Durante a paixão, o indivíduo é inebriado por sensações estimulantes, que envolvem a recompensa e o prazer.

Para exemplificar estas sensações, vamos associar estes estímulos aos alimentos calóricos como, a sobremesa, o chocolate, o sorvete, ou até mesmo outras substâncias como o álcool e as drogas, ou ainda o prazer de assistir um filme, ler um bom livro ou desenvolver projeto profissional.

Publicidade

Durante estas realizações, a pessoa espera uma recompensa e isso é viciante. É por causa das recompensas obtidas por meio de alimentos calóricos, por exemplo, que a pessoa deseja sempre mais do mesmo. E esta recompensa acaba motivando a pessoa a consumir mais e mais estes tipos de alimentos, então, e a recompensa envolve a motivação.

O impulso para a motivação

A motivação faz o nosso corpo fazer mais daquilo que estamos fazendo. A pessoa que está com fome come batata frita até ficar satisfeita.

O outro elemento que envolve o prazer é a sensação associada ao estímulo recompensador. Esse sistema vai envolver o neurotransmissor chamado de dopamina.

A dopamina tem funções diferentes em nosso corpo, mas durante a paixão, está associada ao prazer e à recompensa. Então a paixão é viciante, é uma sensação química hiperdopaminérgica.

O que acontece no cérebro durante a paixão?

Durante a paixão, as vias mesolímbicas dopaminérgicas ficam hiperativas, pois ocorrem os circuitos de dopamina, o que gera uma grande sensação de motivação e prazer, além disso, ocorre uma maior ativação dos circuitos de recompensa.

A pessoa tem vontade de fazer coisas diferentes, viajar, agradar a pessoa amada e os níveis de serotonina caem, assim como nos transtornos obsessivos compulsivos.

A sensação é de ideias invasivas, mesmo quando a pessoa não quer, ocorrem ideias recorrentes da pessoa amada, pois pensamentos a respeito da pessoa amada invadem a mente.

Quando estamos com a pessoa pela qual estamos apaixonadas queremos estar mais e mais perto da pessoa: algo parecido com os sintomas obsessivos compulsivos.

Segundo recentes estudos, pessoas que tomam remédios antidepressivos da categoria dos inibidores que elevam os níveis de serotonina no cérebro tendem a apresentar menor intensidade nos sintomas da paixão.

Há ainda outro hormônio envolvido na paixão: o cortisol, que é associado às respostas ao estresse. Na paixão, os níveis de cortisol se elevam (algo parecido com o estresse).

O coração bate mais forte, há mais ansiedade, hipervigilância (insônia), estresse e perda de apetite. Essas características são respostas a estímulos estressantes.

O apaixonado tem uma menor capacidade de frear os seus impulsos

Ocorre também uma inibição das estruturas pré-frontais (parecido com o estado de quem bebe álcool e a pessoa fica mais solta).

O córtex pré-frontal nos torna capazes de frear os nossos desejos, de enxergar as consequências das nossas ações e a pessoa toma decisões que se arrepende depois; a pessoa fica com pessoas que depois se arrepende.

Durante a paixão ocorre uma inibição pré-frontal. O apaixonado tem uma menor capacidade de frear os seus desejos e impulsos e enxergar as consequências de suas ações no futuro.

Por isso não é bom tomar grandes decisões quando a pessoa está apaixonada. Isso é parecido com a demência.

A pessoa chega ao ponto de fazer uma tatuagem com o nome do amado e depois se arrepende, por exemplo.

A paixão tem data para terminar

A primeira fase do amor é a paixão. É muita intensa e tem curta duração.

A paixão é uma espécie de demência temporária com características de estresse e compulsão.

A paixão é agradável e gostosa, mas pode também causar sofrimento quando não se é correspondido.

No entanto, a paixão tende a durar entre 12 meses, 18 ou 20 meses. Uma hora a pessoa acorda para a realidade e a paixão acaba!

Veja também:

* Dicas para conquistar uma mulher.

* Dicas para garantir um relacionamento intenso.