Já parou para pensar no quanto as músicas são importantes em nossa vida? Algumas músicas realmente marcam a nossa vida e depois simplesmente desaparecem, esquecemo-nos de ouvir, cansamos, achamos outra melhor e por aí vai, as justificativas são muitas.

Se a pergunta for: Qual sua #Música favorita? Pouco provável que a resposta seja direta e conclusiva. Você vai dizer que gosta muito dessa, ama aquela, mas prefere aquele cantor, a banda que mais ouve é outra. E por aí vai. Mas o que faz uma música ser a favorita de alguém? A fase que a pessoa vive. O momento em que a ouviu, com quem a ouviu, em qual festival conheceu e vários motivos, que cada um tem o seu.

Publicidade
Publicidade

Mas você conseguiria falar quando a ouviu pela primeira vez? Quando escolheu que essa seria sua favorita? E quando ela deixou de ser? As músicas têm um poder mágico, mas qual realmente usa esse poder ninguém sabe, ou melhor, ninguém consegue definir ou explicar

Aproveitando a triste noticia desta semana, morte de Chester Bennington, [VIDEO]da banda Linkin Park, o texto se torna oportuno para esses questionamentos. Você vai ver que, a partir desta semana, as pessoas vão começar a idolatrar a banda americana como se fosse a favorita desde os primórdios. Mas, na verdade, isso acontece por causa de uma onda de notícias que surge.

O nome dele se torna o mais comentado nas redes sociais, fotos divulgadas, suas frases são usadas como lemas ou até mesmo sem sentido nenhum para o momento ou situação para serem usadas, mas, sim, apenas para mostrar que ’’eu era fã do Chester’’.

Publicidade

Pessoas que nem conheciam ou se lembravam dele o usam como inspiração a partir de agora.

Isso é o que a música consegue fazer com as pessoas, liberta dentro delas um paixão sem controle. Um amor, que talvez nunca existiu, se torna uma paixão incontrolável. Declarações são feitas como se ele fosse a nova salvação, o coitado injustiçado, a vítima de todos os maus. Não me cabe aqui dizer se foi ou não, deixo isso claro.

O meu questionamento é que realmente esse tanto de gente que hoje o idolatra mesmo depois de morto era fã antes? Eram devotos como são agora? Vai durar até quando isso? Essas coisas me levam a pensar e refletir sobre esse universo musical. Lembram do Chorão, Renato Russo? Aconteceu algo muito parecido com eles!

Uma música se torna um hino, um cantor se torna um ídolo por quê? O que fez você escolher esses cara como inspirações para sua vida? Por que ouvi-los todos os dias? Os motivos são inúmeros é algo parecido se perguntar a um filho por que gosta de sua mãe. A resposta vai ser: gosto porque gosto!

A diferença é que esse amor não vai passar. Esse amor não acaba. Já sobre as músicas, cantores, bandas não podemos dizer o mesmo. Algumas exceções claro que existem. Mas se semana que vem sair a notícia que banda "A" fez um remix da música "B", provavelmente se tornara a favorita de muitos.

É esse é o poder da música! #chesterbennington #LivinPark