O prefeito de São Paulo, João Doria (#PSDB), afastou os agentes públicos que tiveram seu nome denunciados por uma reportagem da rádio CBN durante a semana. Mesmo antes da #prefeitura apurar a participação dos agentes no suposto esquema de corrupção. Doria realiza uma das suas promessas de campanha; ser linha dura com a corrupção dentro da prefeitura de São Paulo.

Doria ainda declarou: ''Qualquer denuncia de corrupção será apurada pela Prefeitura, e enquanto isso, aqueles que foram indicados serão afastados como fizemos agora.''

O esquema de corrupção envolvendo a lei cidade limpa funcionava pagando ex-funcionários para intermediarem o contato com os fiscais, pagando propina para liberarem propagandas não autorizadas pelas diretrizes da lei cidade limpa.

Publicidade
Publicidade

A Lei Cidade Limpa entrou em vigor em 2007 para melhorar o cenário urbano de São Paulo, sendo uma iniciativa da gestão de Gilberto Kassab. Porém, a lei também propiciou os esquemas de propina que estão sendo praticados hoje na cidade.

Doria negocia mudanças na lei

Os secretários de Governo e Justiça da gestão Doria se reuniram com alguns dos empresários que participaram do esquema ilegal que promovia a publicidade na cidade. Os secretários pediram empregos para moradores de rua em troca da legalização das atividades que antes eram proibidas pela Lei Cidade Limpa.

Os empresários teriam oferecido 500 postos de trabalho, enquanto a Prefeitura vem pedindo um mínimo de 2 mil postos. Uma eventual mudança na lei ajudaria a acabar com a necessidade de corrupção por parte das empresas de propaganda.

Publicidade

O Sindivulg (Sindicato das Empresas de Divulgação Publicitária) já estava tentando negociar com a Prefeitura de São Paulo a legalização por meio de propostas ao governo municipal visando permitir a panfletagem. As propostas foram tratadas em duas audiências, porém foram negadas com a justificativa de que não eram interessantes para a cidade.

O prefeito se fortalece para eventual corrida presidencial

João Doria é um dos políticos que vem com a vantagem de não terem feito parte das gestões envolvidas em grandes escândalos de corrupção. Assim sendo, o político menos rejeitado entre os presidenciáveis do ano que vem, aparecendo com 45% de reprovação pelo eleitorado, enquanto todos os outros tem mais de 50% de reprovação.

Boa parte da rejeição de Doria é por conta das declarações que o prefeito da contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, fazendo os eleitores de esquerda o reprovarem, como a de que quer dar uma lição em Lula na disputa presidencial de 2018 [VIDEO].

Doria também conta com outras vantagens para a corrida presidencial, como o tempo de televisão, por conta do PSDB possuir uma grande bancada na Câmara Federal, além da grande divulgação das boas medidas tomadas como prefeito de São Paulo. #Eleições 2018