A afirmação 'o brasileiro não sabe votar' normalmente é proferida por pessoas que na maior parte dos casos são de uma classe social mais elevada que a da maioria da população, ou são pessoas com um nível intelectual acima da média das classes mais populares.

Aqueles que fazem uso dessa frase parecem estar se colocando acima do povo brasileiro, ou seja, fica parecendo que aqueles que sabendo como votar, acabam pagando pelos erros daqueles que não sabem.

Outra coisa que estas pessoas parecem não perceber é que na frase “O brasileiro não sabe votar [VIDEO]”, existe um paradoxo. Se o brasileiro não sabe votar então aquele que acredita nesta afirmação também não estaria apto a exercer o direito do voto, posto que também é brasileiro.

Publicidade
Publicidade

Esta crença na pouca sabedoria do povo brasileiro em escolher seus governantes é espalhada pelos ‘formadores de opinião’, este termo é muito utilizado para designar as personalidades midiáticas que utilizam a mídia para divulgar suas opiniões sobre diversos temas que dizem respeito à vida em sociedade.

Mas na verdade, não são apenas os artistas envolvidos em causas sociais, pensadores contemporâneos que usam a TV, rádio e o outros meios para divulgarem seus pensamentos. Os formadores de #Opinião também podem ser encontrados no nosso dia a dia. Como dito anteriormente, são pessoas que mesmo não estando nas mais elevadas camadas sociais, ainda assim são donos de um nível intelectual mais elevado que a maioria do povo, normalmente são pessoas com nível universitário completo, ou seja, profissionais como médicos, advogados, professores.

Publicidade

A opinião deste tipo de pessoa normalmente é muito respeitada pelos cidadãos mais simples, e daí ser fácil a disseminação de ideias como a que esta que diz que o brasileiro não sabe votar.

Um conceito que complementa a ideia discutida acima é o conceito de ‘votar errado’, mas o que normalmente é visto é que: quem que acusa outra pessoa de ‘votar errado’, na verdade está dizendo que as outras pessoas não sabem votar pois não votaram no mesmo candidato que ela.

Um exemplo de que como este conceito de ‘votar errado’ não é assim tão simples como é apregoado pelos formadores de opinião pode ser dado pela #eleição presidencial de 2014.

Mesmo que um eleitor tenha votado no candidato de perfil ultra conservador que ao ser abordado sobre o tema da homossexualidade, saiu-se com uma resposta absurda, este eleitor provavelmente votou neste candidato pois o seu discurso teria a ver com o que ele, eleitor, acredita.

É possível dizer que votou errado o eleitor que deu seu voto para este mesmo candidato não por convicção e sim apenas para protestar.

Hoje está claro que no segundo turno desta mesma eleição, votaram errado tanto quem votou na candidata à reeleição quanto quem votou em seu adversário. #controversia