Mensagem futurista? Negativa? Não!

Se pensarmos que a solução está mais próxima do que se imagina, e que é uma solução estruturante, a maioria dos leitores podem dizer que estamos ficando loucos! Mas não é isso.

Nem toda a solução megalomaníaca soluciona os problemas de forma prática e efetiva. Temos que lembrar ainda que tudo funciona em escala: cidade grande = problemas grandes; megalópolis = mega-problemas.

Mas enfim, qual é o"Ovo de Colombo"?

Para começar ninguém faz nada sozinho. Deve ser uma ação conjunta e bem articulada. Se os problemas são gigantes, vamos dividi-los e solucionar um a um.

Aliás, talvez nem solucionemos os problemas, mas que teremos uma diminuição de dois problemas, isso com certeza.

Publicidade
Publicidade

E qual a solução?

São Paulo tem dois problemas:

1 - Quando chove, tem inundação.

2 - Quando não chove tem racionamento d'água.

E se resolvermos um problema, será não estaremos influenciando no outro?

Pelo contrário!

Como diminuir a questão das inundações?

Primeiro vamos identificar efetivamente o que ocorre.

À medida que chove, se você estiver em uma área rural, o que acontece? A água primeiramente vai sendo absorvida pela terra. À medida que a terra "fica cheia" de água ou se a quantidade de chuva for muito grande, a parte que não infiltrar, vai escorrer. Em São Paulo, o que não é telhado é piso ou asfalto! Quanto que infiltra...quase nada, muito pouco, quantidade ínfima. E? Escorre, acompanha a declividade e vai para os locais mais baixos e como não há vazão suficiente nos córregos, inunda.

Publicidade

Aí está! Não infiltra, nada! Resultado: Inundação.

E como amenizar isso?

Verdade que há um pouco de engenharia, mas segue um raciocínio simples. Evidentemente que não vamos controlar um fenômeno climático que seja uma exceção. Mas podemos ter algo bem reforçado. Vamos nos preparar para uma chuva de 100 mm. E isso não é pouco!

Como vamos fazer isso?

Para a água não escorrer nós teremos que "guardar" essa água. Aonde? Armazém subterrâneo. E o tamanho, e o custo e a operacionalização disso? Ops! Um de cada vez.

Cada proprietário de imóvel vai construir um depósito subterrâneo com capacidade de armazenar o equivalente a 100 litros por m² de área coberta do imóvel urbano da cidade de São Paulo. Esse depósito tem paredes na metade superior que são porosas e permitem que a água infiltre pelas paredes e vá para as camadas mais profundas do solo, para abastecer os aquíferos. A outra parte da água vai ser tratada e usada para limpeza, lavar veículos, descargas sanitárias e outros usos que não sejam para consumo humano.

Publicidade

Dados históricos nos mostram que, a cada três anos, ocorre um acumulado de 24 horas que tem um valor superior a 100 milímetros. Considerando que o acumulado é de 24 horas, e tendo o modelo um sistema de infiltração, vai suportar um total operacional maior que 100 milímetros.

Para melhorar o nível de segurança teórico, os dados do INMET nos dão conta que os maiores índices chegam próximos a 750 milímetros acumulados no trimestre. Isso demonstra que chuvas torrenciais não são muito frequentes e que um índice de 100 milímetros traz um excelente nível de segurança.

A operacionalização disso seria com políticas públicas. Incentivos governamentais que se equiparem a necessidade de investimentos no setor. Estaremos particularizando e diminuindo o problema.

Incentivos possíveis:

Material para a confecção com desconto de imposto;

Financiamento do custo, com pagamento mensal, na conta de água;

Diminuição do IPTU para quem adere ao sistema e comprova que efetuou a construção;

E a falta de água? Como faríamos?

Com certeza, devem ser feitos novos investimentos para aumentar a captação de água e também a interligação entre os sistemas de abastecimento da grande São Paulo. Mas temos que considerar também que o impacto do sistema sugerido acima, no consumo de água, vai ser bastante grande e resulta em economia para todos os setores, bem como a manutenção dos níveis de água e também dos aquíferos, que nesse momento, ninguém se preocupa e que é a melhor fonte de água pura.

Pare e Pense? O que você pode fazer para ajudar na solução desse problema?