O Facebook está informando atualmente para todos os seus usuários que a partir de 30 de janeiro novas regras serão adotadas quando o assunto é privacidade e anúncios publicitários. De acordo com essas novas regras, a maior rede social da atualidade poderá obter ainda mais informações sobre os usuários e coletar dados não apenas pelo Facebook, como também pelo WhatsApp e Instagram. Mínimos detalhes como força do sinal da operadora de internet e nível da bateria do celular serão vistos pela rede social.

A rede social de Mark Zuckerberg criou uma página para explicar melhor sobre essas novas regras para todos que tiverem interesse.

Publicidade
Publicidade

O motivo para essas mudanças, segundo a plataforma, é deixar a experiência dos usuários ainda melhor e garantir um maior controle por parte deles. Entre as mudanças, os usuários poderão visualizar um anúncio e entender o motivo dele ter aparecido ao clicar em sua lateral. Também será possível não aceitar receber informações de um determinado anunciante, medida que vale tanto para a plataforma usada no momento de acesso (como um smartphone, por exemplo) quanto para as demais (computador desktop e tablets, por exemplo).

A mudança nos termos e regras do Facebook promete deixar a oferta de serviços e produtos mais personalizada. Ao fazer um check-in em estabelecimentos, por exemplo, o Facebook poderá utilizar a geolocalização para mostrar informações de estabelecimentos e amigos. A rede social também está testando a função de "Comprar", para vender produtos pelo próprio site.

Publicidade

Por um lado, as mudanças podem ser vistas com bons olhos por oferecerem mais comodidade aos seus usuários. Ao mesmo tempo, o uso desenfreado das informações e dados pessoais já começaram a preocupar. Você está utilizando um serviço grátis, mas ao mesmo tempo é visto como um produto que a plataforma vende, já que todas suas informações são comercializadas para empresas.

Entre as informações que o Facebook já tem acesso estão a cidade natal, religião e visão política, páginas visitadas, hora e local em que as fotos foram feitas, configurações faciais, idade, o que é visualizado em outras linhas de tempo, mensagens de conversas, telefone, IP, número de cartão de crédito, etc. Com essas informações, o Facebook pode elaborar um perfil de cada pessoa e oferecer serviços e produtos que podem interessá-las.

Para preservar o mínimo de privacidade, o Facebook garante que a venda de dados protege a identidade pessoal. A rede social diz que os dados são fornecidos para empresas após nome e outras informações pessoais serem removidas, de forma que nenhuma delas possa identificar uma pessoa única. Para restringir o acesso aos seus dados, o usuário deve alterar quem pode ver cada uma de suas ações ou desativar os aplicativos da plataforma em Configurações de Privacidade.