A partir de agora, quando uma vítima registrar boletim de ocorrência de roubo de celular no estado de São Paulo, preencherá um formulário extra com as informações do aparelho. Esse documento será repassado para a operadora com uma ordem para bloqueio imediato do aparelho e não apenas do chip, como as pessoas têm o costume de fazer.

Esse bloqueio pode ser solicitado pelo próprio cliente, bastando entrar em contato com a operadora e informar o número do IMEI que vem na caixa do aparelho, no adesivo atrás da bateria e que também pode ser visto na tela do celular com o uso de um comando. O problema é que com a falta de treinamento de muitos operadores de telemarketing, esse procedimento nem sempre é efetivado, permitindo que o meliante o utilize com outro chip ou o venda no mercado negro.

Publicidade
Publicidade

Sem falar que as operadoras dão até 72 horas para efetivar o bloqueio. A decisão policial visa acabar com essa burocracia e iniciar o bloqueio automático após a solicitação.

Com o bloqueio do aparelho, o mesmo não confere sinal de nenhuma operadora, seja pré ou pós-pago. É como se o celular perdesse a sua função de enviar e receber chamadas e mensagens. Com os aplicativos e serviços das operadoras para bloquear fotos e demais arquivos do aparelho com o uso de uma senha, muitos aparelhos não tem muita utilidade para nenhum ladrão.

Vale salientar que para que aja o bloqueio imediato, a vítima precisa registrar um boletim de ocorrência. Embora seja chato guardar caixas em casa, vale a pena guardar a caixa do aparelho para consultar o IMEI quando precisar ou pelo menos fotografar a informação e deixá-la salva no computador para uma eventual consulta.

Publicidade

Os roubos de celulares correspondem a quase 17% dos roubos do estado e quase 50% são praticados contra transeuntes. Na próxima semana, a Secretaria de Segurança se reunirá com as operadoras para definir os detalhes da nova ação e a mudança no procedimento será iniciada oficialmente em seguida à reunião.

Roubos em São Paulo

Essa é mais uma das medidas para coibir roubos no estado no atual governo de Geraldo Alckmin. Na sexta-feira, foram apreendidos seis milhões de reais em produtos automotivos de procedência duvidosa na capital paulista. Os donos dos três estabelecimentos fiscalizados foram presos em flagrante. A polícia vai investigar a possível ligação das peças roubadas com a facção criminosa PCC. #Crime