Tenho certeza que depois de ler esta matéria você vai pensar muito antes de abrir qualquer tipo de e-mail, e com certeza manterá seu antivírus muito bem atualizado. Nossos já famigerados hackers, fizeram um estrago e tanto em mais de 100 bancos no mundo fazendo ataques cibernéticos e "arrecadando" o montante de, no mínimo, 1 bilhão de dólares. Se for ver é um valor muito mais alto do que o PIB de muitos países. A informação vem do jornal Financial Times, que teve acesso ao relatório de uma das maiores e melhores empresas de vacinas contra ataques de internet do mundo, a Kaspersky.

Os ataques são de uma organização já conhecida das autoridades no assunto, os "Carbanak".

Publicidade
Publicidade

Que tem integrantes ativos na Rússia, na Ucrânia, em grande parte da Europa e na China. Os prejuízos ainda estão sendo contados e não se tem um número exato do rombo que eles causaram. De acordo com a Kaspersky eles usaram um método conhecido como Spear Phising. O que seria o Spear Phishing?

Eles têm acesso aos passos de vários usuários de Facebook e redes sociais diversas, criando assim e-mails maliciosos de pessoas conhecidas do usuário, e de empresas onde a pessoa já fez compras on-line, e assim eles conseguem uma credibilidade para serem abertos pelo internauta, e quando aberto, ele instala um malware direto no computador. Isso acontece com grandes empresas e bancos também, sendo o foco dos hackers por se tratar de uma ação que dá retorno financeiro muito rápido e relativamente fácil.

Publicidade

Quando o computador do banco é infectado ele procura os usuários que têm permissão para fazer grandes transferências de dinheiro, e eles dão prioridade a valores acima de 10 milhões por ataque, conseguindo assim em muito pouco tempo uma quantia absurda de dinheiro, quase surreal . Esse valor de mais de 1 bilhão de dólares seria fruto de 2 anos de ataques da mesma "gangue virtual", a Kaspersky afirma que a investigação corre em sigilo absoluto junto com a Interpol, a Europol e outras agências particulares contratadas pelos próprios bancos.

E então? Vamos usar com mais frequência a atualização de seu software?