Você já imaginou um aplicativo julgando pessoas próximas a você ? É isso que os artistas americanos Kyle McDonald e Lauren McCarthy pensaram. Os dois criaram o pplkpr, que significa people keeper, em que traduzido pode significar o 'guardião de pessoas'. O aplicativo já está lançado e disponível para o sistema IOS. 

O pplkpr basicamente funciona através de algoritmos, avaliando o valor de cada amizade baseado em listas de redes sociais.  Mas o programa não 'adivinha' apenas valores de amizades aleatoriamente. O usuário deve responder a um questionário para que possa utilizar o programa. O aplicativo também pode ser sincronizado á pulseiras que vão monitorar os batimentos cardíacos quando o usuário estiver perto de algum amigo.

Publicidade
Publicidade

Assim, o app parte da lógica, aparentemente óbvia, de que temos reações positivas quando estamos com quem gostamos e negativas quando estamos com quem não temos confiança.

Um detalhe que não pode se deixar passar é que decisões por algoritmos são mais frequentes do que o imaginado. Sites de relacionamento também utilizam este formato de tecnologia. Mas, assim como o aplicativo, cabe ao usuário fazer a decisão final.

Além de julgar as amizades, o aplicativo também tem outras funcionalidades, como escrever mensagens de textos e marcar encontros com as pessoas que parecem gerar uma reação positiva. Além disso, o programa pode deletar os contatos que classifica como perigosos. Se você, ao usar o aplicativo, deixar ele tomar todas decisões, o pplkpr acaba decidindo com quem você deve passar mais tempo. 

O conceito final do pplkpr é fazer com que o usuário ganhe, através do tempo, uma sensibilidade para perceber as diferentes reações que cada contato pode causar.

Publicidade

O curioso é que o aplicativo foi criado após um teste feito na Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos, com oito alunos. Os criadores contaram que o programa toma decisões que a pessoa gostaria de ter. Desta maneira, o pplkpr pode ser um encorajador para distanciar certas pessoas da vida do usuário.

E você, acreditaria se um aplicativo te contasse quais pessoas deveriam ser afastadas da sua vida?