Visa inova outra vez! Quem viaja de modo frequente ao exterior quase sempre tem uma preocupação: O fato do banco bloquear cartões de créditos quando consumidores realizam compras. Este procedimento é feito para evitar fraudes, mas irrita e gera dor de cabeça para certas pessoas, sem contar que inviabiliza a verdadeira função do dinheiro-de-plástico (cartão).

Para terminar com este problema que atormenta os consumidores internacionais, a Visa anunciou uma novidade. A partir de abril de 2015, a empresa vai acompanhar a localização dos usuários nos Estados Unidos, graças à tecnologia para smartphone (aplicativo Visa).

Dependência de celular e internet

De acordo com a Visa, a tecnologia vai fazer a integração de dados entre o cartão que está sendo usado e o smartphone dos consumidores.

Publicidade
Publicidade

Ou seja, é necessário estar com o celular por perto na hora de fazer pagamentos e evitar o bloqueio do cartão.

Vale ressaltar que para evitar o bloqueio do cartão, além de comprar com o celular no bolso, se faz necessário conectar o aparelho na internet - apenas desta forma o aplicativo pode funcionar para assegurar compras em terras internacionais.

Espionagem de dados

Entre os grandes críticos desta e de outras formas parecidas de tecnologia está a preocupação da privacidade. Ou seja, será que este aplicativo permitirá que a Visa investigue informações pessoais dentro do aparelho móvel?

Preocupada com os rumores de espionagem dos dados, a Visa destaca no site oficial que este recurso funciona apenas como base opcional. Detalhe - já existem empresas nos dias de hoje acompanhando os movimentos dos clientes por causa do uso de cartões.

Publicidade

Visa em teste nos EUA

Esta novidade da Visa está em fase de teste nos Estados Unidos, o maior mercado consumidor do mundo. A empresa indica estudar a possibilidade de expandir para outros países, nesta típica ferramenta que comprova as teses de conversão dos meios no aparelho celular - algo não imaginado nem por pensadores conhecidos como Orson Welles (do livro 1984), por exemplo. #Negócios #Inovação