Poucos dias atrás um fato desagradável aconteceu com uma conhecida artista internacional. Ele está servindo para discussões importantes na comunidade digital. O fato colocou um pouco mais de lenha na discussão do que pode ou do que não pode ser feito nas redes sociais. O tema deve ser tratado pelas redes sociais com o vigor que se fizer necessário. Falar mal dos outros é algo que deve ser rotulado como crime ou não? O problema não é novo. Não é a primeira vez que isto acontece e não será a última. É importante que o fato não fique esquecido. A continuidade na troca de ofensas revelou que esta é uma briga que terá mais um round.

Ashley Judd tuitou sobre assuntos futebolísticos.

Publicidade
Publicidade

Ela emitiu críticas que não agradaram a todos. O motivo foi o questionamento de problemas ocorridos no campo de jogo. Algo comum, se a conversa fosse particular e poucos ouvidos e poucos olhos ouvissem ou lessem as suas colocações. Mas a coisa foi para o ar e envolveu uma pessoa famosa. Para piorar a situação envolveu uma paixão popular que muitas vezes, em um processo de catarse coletiva, provoca reações violentas.

Inicialmente,o fato provocou uma avalanche de reclamações. Na continuidade, as reclamações se transformaram em ofensas. A baixaria se instalou na rede. A atriz, além dos xingamentos, recebeu ameaças, inclusive de que contra ela seria praticada violência sexual. A discussão resvalou para o bullying digital e derivou para um odioso preconceito de gênero. Parece não ter restado para a atriz outra alternativa que não fosse retrucar, agora judicialmente, e indiciar criminalmente os responsáveis.

Publicidade

Ações legais são cabíveis.

Até onde será possível permitir que fatos similares aconteçam nas redes? Esta ação representa um crime contra a pessoa atacada? Se a censura na rede é condenável, também não o seria a libertinagem, a ameaça e outras coisas semelhantes ou piores? A resposta somente poderá ser dada por aqueles que diariamente circulam na rede. Rejeitar ou aceitar estas ações deste gênero terá que se tornar algo a ser discutido.