Todas as crianças já sonharam em poder ter uma conversa com os seus bonecos, além de duas ou três frases pré-gravadas e repetitivos que os brinquedos mais avançados no mercado já têm. A boa notícia para os mais pequenos é que a Mattel desenvolveu uma solução para esse anseio. A má notícia é que o resultado gerou uma onda de críticas e, acima de tudo, muitas dúvidas.

A nova Barbie vem com Wi-Fi gratuito e um software de reconhecimento de voz com a qual você pode ouvir o que elas dizem e responder.

A boneca é alimentada por um pequeno microfone que se ativa quando um botão é pressionado. O problema para muitos defensores da privacidade é que tudo que a criança falar com a boneca vai viajar através da rede para um servidor da Mattel, onde os cortes são processados e armazenados por dois anos, ajudando a tornar as respostas da Barbie.

Publicidade
Publicidade

Esta seria uma forma de satisfazer os gostos e interesses das crianças e olhar para uma finalidade comercial com informações armazenadas. Empresas já engajadas na análise da atuação das pessoas em suas páginas na internet, adotaram medidas comerciais a fim de satisfazer os gostos de seus usuários e, em seguida, fornecer informações, com foco em publicidade.

'Olá Barbie' foi apresentada na Toy Fair 2015 em Nova York e está definida para chegar ao mercado norte-americano ao preço de 75 dólares.

Respeito a privacidade

A fabricante Mattel se defende das críticas e garante que a boneca não viola a privacidade das crianças. A empresa informa que a Olá Barbie atende aos padrões de segurança exigidos pelo governo dos EUA, incluindo a Lei de Proteção Cibernética à Criança. Além disso, a tecnologia da nova boneca tem uma série de barreiras para garantir que a informação recolhida é segura e não pode ser usada por usuários não autorizados.

Publicidade

Mas existem setores que criticam bastante esta novidade. É o caso de Susan Linn, diretora da Campanha Por uma Infância Livre de Anúncios. As crianças vão dialogar com a boneca e, consequentemente, estarão falando diretamente com as empresas gigantes de brinquedos, que têm um interesse financeiro em si. #Entretenimento