Ainda era abril de 2012 quando o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, fez um anúncio que chamou a atenção do mundo da tecnologia, sobretudo pelas cifras envolvidas na negociação. O valor de US$ 1 bilhão para a compra do Instagram foi acertado por meio de pagamento em dinheiro e também de ações da rede social.

Bem ao seu estilo, Zuckerberg usou o seu perfil pessoal na própria rede que gerencia para fazer o comunicado aos seus seguidores e amantes da tecnologia. Em aproximadamente uma hora, a postagem já havia recebido cerca de 75 mil “curtidas” e mais inúmeros comentários de fãs entusiasmados pela novidade.

Na ocasião, o executivo fez questão de salientar que a iniciativa permitiria uma melhor solução na qualidade das fotos, de modo que seriam oferecidas aos usuários do Facebook melhores condições para o compartilhamento de imagens.

Publicidade
Publicidade

“Por muitos anos, focávamos na possibilidade de construir uma melhor forma de compartilhar fotos com familiares e amigos. Trabalhando estreitamente com a qualificada equipe do Instagram, vamos oferecer as melhores condições para compartilhamento de imagens com pessoas de seu interesse”, postou.

“Tínhamos a consciência de que valia muito a pena unir as duas empresas. Possibilitar a melhor experiência no que diz respeito ao compartilhamento de imagens é um dos principais motivos que fazem as pessoas adorarem o Facebook”, acrescentou.

O que pouca gente sabe é que a criação do Instagram foi feita, em parte, por um brasileiro. Mike Krieger é um dos cofundadores do aplicativo, que ganhou força a partir do ano de 2010. Ao lado de Kevin Systron, então presidente-executivo da empresa, ele ajudou o Instagram a dar os primeiros passos rumo a imensa maioria dos celulares das pessoas do mundo todo.

Publicidade

#Negócios #Internet