Em 2013, logo após ser adquirida pela Google, a Motorola surpreendeu o mundo com a sua linha Moto, de smartphones. O modelo de entrada E, o mediano G e o topo de linha X eram os queridinhos do mercado brasileiro, principalmente pela rápida atualização de software e preço abaixo da média. O mais caro partia dos R$ 1.499. Agora, já na terceira geração dos smartphones, as coisas mudaram bastante, o último aparelho lançado pela empresa no Brasil, o Moto X 3ª geração teve seu preço definido em R$ 2.499 e os culpados por isso são vários.

Talvez você não saiba ainda mas foram lançados dois modelos na linha X este ano, o X Play (que já está nas lojas há pouco mais de um mês, partindo dos R$ 1.399) e o X Style, considerado por muitos o verdadeiro topo de linha da Motorola.

Publicidade
Publicidade

O segundo, entretanto, só chegou as lojas brasileiras essa semana, surpreendendo os fãs da marca que acreditavam num preço em torno dos R$ 1.799. A única versão vendida aqui conta com 32GB de armazenamento interno e pode ser customizada pela plataforma MotoMaker (no site da Motorola) disponibilizando assim mais de 100 opções de customização. 

O preço (quase mil reais mais caro que a versão anterior) chama bastante atenção, porém segundo a própria Motorola a alta do dólar e a política de elevação de impostos para produtos industrializados tem impossibilitado a indústria de oferecer preços competitivos, afinal, mesmo não estando em vigor ainda,  a tributação afetará os lucros da empresa a longo prazo, o que os obriga a repassar os valores ao consumidor final. Outra característica apontada como razão do preço alto do novo gadget seria o novo patamar da empresa que essa terceira geração traz, o novo Moto X traz consigo uma plataforma de customização profunda e diversas melhorias de software e hardware se comparado ao seu antecessor.

Publicidade

 Com um Snapdragon 808 hexa-core, tela Quad-HD de 5.7 polegadas, 3GB de RAM e bateria de 3.000mAh, o novo X entrega desempenho de sobra até para as próximas versões do #Android. Além disso, um dos problemas apontados por donos da segunda geração: a câmera, ganhou um novo sensor principal de 21 megapixels e um frontal de 5 megapixels. Ambos com flash LED. As apostas da Motorola são altas, mas será que todo esse requinte justifica pagar um valor tão elevado pelo novo flagship da fabricante? #Comunicação #Celular